Especial

Pai, filho e a expedição até o Monte Roraima

Denizaldo Soares Corrêa Junior e seu filho Denizaldo Soares Corrêa Neto fizeram da experiência um momento histórico na vida dos dois. (Fotos: Acervo Pessoal)

A prática esportiva é algo prezado pela família Soares Corrêa. Natação, lutas marciais e atividades ao ar livre fazer parte da rotina de Denizaldo Soares Corrêa Junior e Denizaldo Soares Corrêa Neto, e uma aventura rendeu muitas histórias, fotos e momentos que ficarão guardados para sempre na memória dos dois.

Morando em São Mateus do Sul há mais de 10 anos, Junior foi um homem que fez a prática esportiva sempre presente em sua vida. Tendo grande experiência realizando natação e escaladas, o desempenho pela vida saudável serviu de exemplo para seu filho, Neto, que aguçou ainda mais a paixão do pai pelo montanhismo.

“Tudo começou quando ele encontrou uns equipamentos de montanhismo que eu tinha guardado na garagem”, conta o pai, que lembra que o filho ficou bastante interessado em saber como eram usados na prática todo aquele material, como barraca, bota e cadeira de escalada que estavam no cantinho da garagem.

Acompanhando desde muito jovem programas de aventura junto do pai, o pequeno escoteiro passou a despertar o interesse para a realização destas atividades. “Ele começou a me perguntar e começamos a planejar alguma viagem. À princípio pensamos em ficar na selva amazônica. Depois de pesquisas, escolhemos o Monte Roraima para realizar o montanhismo”, comenta o pai.

Para quem não conhece, o Monte Roraima é uma montanha localizada na América do Sul, em fronteira com o Brasil, Venezuela e Guiana, e é um grande lugar de encontro entre aventureiros. O ponto mais alto está localizado no extremo Sul, e marca 2.800 metros de altura, seguido por 2.772 metros, localizado no lado norte. A temperatura e o clima são bastante diversificados e variam de acordo com os dias.

Mesmo com 10 anos de idade, Neto e o pai começaram a realizar treinos em lugares de escaladas aqui no Paraná para a preparação do corpo para esse trajeto. “Comprei mais alguns equipamentos e comecei a realizar um plano de treino físico e psicológico na serra do mar para observar como seria o comportamento, e fiquei muito seguro em perceber o jeito que ele lidava com tudo”, ressalta Junior, que ainda comenta que a alimentação foi crucial para o desempenho. “Em nossa casa temos a cultura de estar bem com a saúde”, diz.

A expedição na montanha começou no dia 12 de fevereiro e terminou no dia 17, e eles contaram com a ajuda do guia turístico venezuelano Puri Puri da Mantra Adventures. “Teve uma experiência diferente em que dormimos em cima de uma pedra por conta do cansaço”. A desenvoltura de Neto foi excepcional, e sendo a única criança na expedição, tornou a viagem mais divertida pelo modo de agir. “Ele brincava com as nuvens, pedras e fez a viagem se tornar mais leve”.


Neto foi a segunda criança brasileira de 10 anos a subir no topo do Monte Roraima, e foi convidado para apresentar sobre o assunto em sua escola e no grupo de escoteiro, e muitos blogs de aventura se inspiraram em sua história e publicaram essa experiência que com certeza fixou raízes em sua trajetória de vida.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
A originalidade da arquitetura são-mateuense – Parte IV
A vida dos são-mateuenses embarcados nas plataformas petrolíferas brasileiras
Você pode ajudar?