Há algumas semanas sonhei que tinha perdido meu pai. Não contei esse sonho para ninguém porque o coração ficou tão apertado me deixando com medo boa parte do dia.

Queria que todas as pessoas tivessem a oportunidade de ter um pai como o meu, que ama incondicionalmente as filhas fazendo do possível (e também o impossível) para que nossos objetivos sejam alcançados, seja com apoio ou com àquela motivação de sempre. 

Meu pai é uma pessoa engraçada, e só quem realmente o conhece sabe que isso é verdade. Mesmo sendo um pouco turrão algumas vezes (minhas tatuagens são exemplo disso), só quem realmente o conhece sabe da grandeza de seu coração. O que eu mais admiro em sua personalidade é a forma que ele lida com as emoções. Meu pai não esconde que está emocionado assistindo Lar Doce Lar do Caldeirão do Huck, tão menos quando chorou de felicidade em ver as filhas em casa no seu aniversário de 50 anos. Meu pai é a prova viva de que homem chora sim, e não tem nada demais nisso.

Sempre fui rodeada de pais incríveis, e meu avô Cláudio é a prova disso também. Não só na coincidência no nome e por eu e ele termos nascido no dia 7, ele em setembro e eu em abril, a minha relação de admiração e respeito com ele é uma das bases da pessoa que eu me tornei hoje. Desde cedo o trabalho pesado fez parte da sua vida. Sendo o caçula de 13 irmãos, meu avô saiu cedo de casa para também construir sua própria família. Sem carteira de motorista mas com sua fiel companheira sempre do lado (uma monark verde escura), Seu Cláudio Polinski é o meu entregador de marmita favorito no mundo! Ele, sem preguiça alguma, no auge dos seus 73 anos, vem quase que diariamente aqui no jornal trazer o meu almoço quentinho. Meu Deus, como eu sou grata à isso!

Com a proximidade do Dia dos Pais, resolvi homenagear esses dois homens incríveis que me fazem acreditar em um mundo melhor todos os dias. Sempre com muito respeito e principalmente dedicação para a família. Eles até hoje abdicam de momentos para nos dar conforto de sempre, seja comprando aquele franguinho para fazer com polenta ou apenas contando suas histórias de vida.

Você, que tem o seu pai presente fisicamente, aproveite todos os momentos possíveis ao lado dele. Entenda que, mesmo com a história de vida de cada um, ele é um dos principais responsáveis pela sua vida aqui hoje. Ame e seja grato sempre!

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
A mobilidade de informação garante um melhor conhecimento
O país está sendo catalogado em dois lados
Precisamos falar sobre violência