Educação e Cultura

Paixão de Cristo em São Mateus do Sul foi sucesso de público e encenação

 

Fotos: Thaís Siqueira/Gazeta Informativa

A encenação da Paixão de Cristo, em São Mateus do Sul, teve uma pausa no início dos anos 2000 e no ano passado, em 2014, voltou a integrar o calendário cultural sãomateuense. Neste ano, a produção amadureceu e evoluiu, ganhando cara nova na edição 2015. O evento foi promovido pela Paróquia São Mateus, em parceria com o grupo Jovens Unidos em Cristo (JUC).

A peça teatral foi apresentada em três sessões, nos dias 31 de março, e 1º e 3 de abril, no Salão Paroquial da Igreja Matriz São Mateus e reuniu fiéis de toda região, que foram surpreendidos com uma belíssima apresentação, por meio de uma superprodução a nível dos grandes espetáculos das capitais culturais, levando o público a momentos de extrema emoção. Somando as transições de cena e as falas iniciais, a duração da peça durou cerca de duas horas e 20 minutos.

“O público, sem dúvidas, fez questão de dar sua opinião. Tivemos muita repercussão nas redes sociais, mensagens de celular, via rádio e na mídia impressa. Acreditamos que a carência do público, não sei se espiritual ou de cultura, ajudou na repercussão. O resultado foi positivo em todos os sentidos”, comenta o Diretor Geral do espetáculo e presidente do JUC, Douglas Lara.

Douglas revela a importância de dirigir o espetáculo: “A maior responsabilidade é conquistar os jovens para a disciplina do teatro, pois, somos todos amadores. Acredito que a minha Gestão da Paixão foi bem participativa, pois, todos sem exceção podiam opinar dentro do grupo, isso resultou no excelente trabalho. O JUC está muito feliz em ser o detentor desse lindo trabalho”, comenta Douglas.

Douglas conta que sua função em dezembro de 2014 era encontrar um novo diretor de cena e texto, juntamente com um novo texto. “Deus me indicou o Gerson, sendo assim, fiquei com a Direção Geral. Já na primeira reunião com o grupo que dirige o JUC comigo (G13) o nome do Gerson foi aprovado, ai demos início ao trabalho. Minha incumbência principal, além de definições gerais, era ser o elo entre o teatro e a Paróquia. Coordenar também a comunicação, financeiro, patrocínios e etc, além de apoiar o Diretor Gerson (Texto e Cena) e Jairo Walter (Cenográfico)”, conta Douglas.

O Diretor de Texto e Cena, Gerson Cesar Souza, relata que não foi fácil escrever o texto, que traz o nome “Não tenhais medo”, pois teve pouco tempo para isso. “Tive um mês para escrever o texto, e eu não queria simplesmente contar a história da Paixão de Cristo, que já é totalmente conhecida. Queria fazer isso sob o ponto de vista humano, mostrando os medos de Pedro, as dúvidas de Tomé, as dores de Maria, o amor de João, ou seja, sentimentos de pessoas como nós. Também queria evidenciar que a resposta de Deus a todos estes sentimentos é a mesma: um amor infinito que nos diz ‘Não tenhas medo! Eu estou contigo!’. Acho que o pessoal captou bem a mensagem. Tive um grande apoio do Fernando (Jesus) e da Denise (Maria), seja no texto ou na direção da peça”.

Para Gerson, o evento superou suas expectativas. “Nossa meta era priorizar a evangelização. Queríamos que a peça passasse uma mensagem de fé. Isso era mais importante do que ter belas cenas teatrais. Mas acho que conseguimos fazer as duas coisas: evangelizar e produzir um belo espetáculo”, revela.

Segundo Gerson, os ensaios tiveram início na metade do mês de janeiro. “Fazíamos ensaios de três horas, três ou quatro dias por semana. O local era o próprio salão paroquial”.

Gerson conta que o figurino foi responsabilidade da Ivana Lima, que é uma das atrizes do grupo. Ela também coordenou a maquiagem, com apoio de outras pessoas da equipe. Foram cerca de 60 atores, mais uma dezena de pessoas da técnica (contrarregras, sonoplastia, iluminação) e outra dezena no Coral. Podendo considerar 80 pessoas envolvidas diretamente na apresentação.

PONTOS POSITIVOS E PONTOS NEGATIVOS

“Como ponto positivo, destaco a garra dos atores e a participação em massa do público. Tivemos alguns pequenos erros, principalmente na primeira apresentação, devido ao nervosismo da estreia. Mas nada que fosse perceptível”, relata Gerson.

O que deixou a desejar, na visão de Gerson, é a falta de um local adequado na cidade para estes eventos culturais. “Nós até colocamos o telão para melhorar a visualização, mas sabemos que o público merecia cadeiras mais confortáveis, com melhor visualização do palco”, destaca Gerson.

SHOW À PARTE

Gerson ressalta que a equipe técnica deu um show à parte, como ele mesmo relata: “Eu como escritor crio os ‘sonhos’, e o pessoal da técnica tem o ‘pesadelo’ de realizá-los. Mas o Douglas Lara (diretor geral e presidente do JUC) havia me dito: ‘Não há nada que o Jairo não consiga’. O Jairo Walter é o diretor de cenografia. Graças a ele e sua equipe, o barco que eu sonhei surgiu em cena, e ainda ‘navegou’ no meio do público. Graças a eles o palco se abriu na cena da morte de Judas, para surgirem os espíritos malignos e a forca. Esta equipe técnica deu um show à parte, com vários contrarregras sendo comandados pelo incansável Alex Müller. O cenário foi complementado com o telão de LED, cujas imagens foram preparadas pelo Silney Tkaczyk, com grande maestria. A sonoplastia foi montada por mim, a partir de um roteiro proposto pelo Fernando Wander, com ajuste fino do Edinei Cruz. Ou seja, dezenas de mãos trabalhando em silêncio para que a peça fosse o sucesso que foi. Temos no elenco um pessoal que era oriundo do Grupo Teatral Pau & Corda e já tinha larga experiência de palco. Mas a grande maioria são jovens, com pouca (ou nenhuma) experiência. Mas como eu sempre repetia para eles: ‘nós somos amadores, mas o Deus que nos guia é profissional”, finaliza.

O PAPEL PRINCIPAL (Jesus Cristo)

Hilson Fernando dos Santos Wander, 36 anos, foi quem protagonizou o papel principal da peça – Jesus Cristo. Segundo ele, o desafio de interpretar Jesus Cristo é realmente muito difícil. “Preciso estar muito concentrado para conseguir realizar a minha atuação da melhor forma possível, tentando passar sentimento, e para que ele contagie e tome conta das pessoas. Em todas as apresentações eu sentia a emoção da plateia, pois foi algo incrível. O respeito, o silêncio e acima de tudo a emoção e as lágrimas que vi”.

Esta não foi a primeira vez que Fernando interpretou Jesus Cristo, e sim a oitava vez. Segundo ele, iniciou a atuação em 1999 até 2004, quando o espetáculo era realizado somente pelo Grupo Teatral Pau e Corda. O que marcou neste ano para ele foi a nova proposta. “Pois foi um texto novo, com um diretor novo, o nosso poeta Gerson, que me limito a dizer da admiração que tenho por ele, pois ele consegue fazer tantas coisas na sociedade e com uma enorme qualidade e paixão, algo realmente destinado a uma pessoa iluminada”, diz Fernando.

Fernando comenta que existem detalhes técnicos, operacionais e artísticos para serem melhorados nos próximos anos. “Um ponto ruim é não termos um local adequado para ensaios, pois o Salão Paroquial não tem por objetivo receber apresentações teatrais. Por exemplo, existem somente duas portas pequenas para que nosso elenco de mais de 70 pessoas se posicionem em cena, isso gera grande dificuldades das marcações cênicas. Também a nossa equipe além de se preocupar com a atuação no palco tem que posicionar as cadeiras, montar e desmontar o trilho e palco secundário e ainda atuar na parte de limpeza”.

Fernando faz alguns agradecimentos especiais: “Gostaria de agradecer a todos do JUC, sem exceção, pois foi um trabalho muito difícil desde de dezembro de 2014, e sabemos como foi complicado reunirmos todos e deixarmos a peça pronta para apresentação, mas conseguimos e parabéns a todos. Espero que o gosto de ‘QUERO MAIS’ esteja em vocês, pois vários elogios que recebi pediram. Quero fazer um agradecimento mais que especial para minha esposa Sandra Panek Wander que me apoiou e cuidou de nossas filhas, Maria Fernanda e Ana Clara, nesses mais de 3 meses de ensaios, e também meus pais José Nilson Wander e Francisca Wander e meu irmão Luciano Wander que me auxiliaram também dando suporte para a minha participação. Agradeço a meu sogro, Bruno Panek e sua esposa Maristela Panek que doaram um ônibus para as pessoas virem de Rio Claro do Sul assistir à apresentação. Realmente a família é tudo. Agradeço também aos pais dos novos amigos do JUC, pois permaneçam incentivando seus filhos pois se eles estiverem no JUC estarão num caminho certo. E para finalizar, deixo um agradecimento muito especial ao Padre Silvano Surmacz, pois seu carisma, dedicação ao nosso trabalho foi algo que nunca tivemos na década de 2000, e sabemos que sem você dificilmente teríamos conseguido realizar a montagem”, finaliza Fernando.

Conheça o elenco artístico e técnico:

NOME  ELENCO ARTÍSTICO
Adriana Lazzari Silveira Figurante/Diabete
Alexandre Muller Fariseu/Discípulo
Anna Julia Portes Criança Figurante
Bianca Franco Empregada de Caifás/Figurante
Carlos Eduardo Discípulo Judas
Carlos Pageski Soldado Oficial
Carolina Pereira Criança Figurante
Clairy Luara Figurante
Cleber Nizer João Batista/Tomé
Daiane Izabel Irmã do jovem paralítico/Figurante
Denise Bittencourt Maria
Denyree Vieira Figurante
Diego Tratsch Empregado do casamento/Soldado Figurante
Diego Vinicius Miquéias/Pai do Jovem Paralítico/Soldado Figurante
Douglas Lara Fariseu
Eduardo Gaulke Caifás
Emily Nepomuceno Irmã do jovem paralítico
Everton Ducate de Souza Discípulo
Felippe Kauã Ladrão/Figurante
Francine Portes Maria Madalena/Diabete
Francini Ferraz Persona
Robert Muller Discípulo/Figurante
Guilherme Drebes Janik Criança Figurante
Fernando Wander Jesus Cristo
Isabelle Valentim Souza Criança Figurante
Ivana Lima Mãe do jovem paralítico
Jairo Walter Isaías/Mestre de Cerimônias/José de Arimatéia
Jenyffer Bittencout Criança Figurante
João Pedro P. de Mello Criança Figurante
Jonatas P. Janowski Discípulo André
José Sultowski Discípulo Pedro
Julia Felchak Criança Figurante
Karina Digner Mulher de Jerusalém/Figurante/Diabete
Kaue Yan Discípulo/Soldado Figurante
Keylani Oliveira Fiel/Figurante
Luis Volochen Zacarias/Jovem Paralítico/Soldado Figurante
Luiza de Lima Figurante
Maria Fernanda Portes Criança Figurante
Mariana Mesquita Noiva
Mariana Mayer Mulher de Jerusalém/Figurante/Diabete
Mariane Stuski Mulher de Jerusalém/Figurante
Mateus Lima Ribeiro Noivo/Soldado Figurante
Matheus Ferreira Discípulo/Figurante/Barrabás
Mirella Przyvitowski Mulher adúltera/Figurante
Otavio Ribeiro Oséias/Soldado Figurante
Rosane Mello Figurante
Sergio Nisponginski Abraão/Pilatos
Shaiene Polak Mulher de Jerusalém/Figurante/Diabete
Suliane Pacheco Esposa de Pilatos
Thyago Silveira Cruz Discípulo Tiago
Valéria Niesponginski Mãe do noivo/Figurante/Mulher de Jerusalem
Vanessa Bueno Mulher de Jerusalém/Figurante/Diabete
Victor S. Pzivitovski Discípulo João
Vilmar Felchak Figurante/Fariseu Figurante
Vinícius S. Pzivitovski Malcus
Walter Mayer Satanás
William K. da Silva Ladrão/Soldado Figurante/Discípulo
Yasmin Muraski Mulher de Jerusalém/Figurante/Diabete
Atalir Tonel Apedrejador

 

NOME ELENCO TÉCNICO
Douglas Lara Diretor Geral
Gerson Cesar Souza Diretor de Texto e Cena
Jairo Walter Diretor Cenográfico
Jenifer Lara Secretária
Victor S. Pzivitovski Coordenador Financeiro
William K. da Silva Coordenador Mídias Impressas
Nei T. dos Santos Cenógrafo Digital
José Sultowski Cenógrafo
Luis Oliveira Cenógrafo
Cleber Nizer Cenógrafo
Edinei Cruz Sonoplasta
Alexandre Muller Fotógrafo
Francine Portes Fotógrafa
Alex Muller Contrarregra
Vilson Macuco Contrarregra
Leandro Barbosa Sonoplasta
Ederson Cruz Sonoplasta
Participação especial: Coral Cantata
Redação do jornal Gazeta Informativa

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Responda questionário e ajude a identificar a presença polonesa em São Mateus do Sul
Colégio Duque de Caxias realiza IV Seminário Socioambiental
Apae de São Mateus do Sul promove Semana Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltipla

Deixe seu comentário

*