Rebanho bovino livre das vacinas para a febre aftosa. (Fotos da internet)

O Paraná em breve alcançará um novo patamar na produção e exportação de carne. Nesta terça-feira, dia 09, o estado recebeu o parecer favorável para ter reconhecimento internacional de área livre da febre aftosa sem vacinação. O reconhecimento internacional deve ocorrer em maio e será a última etapa de um processo sanitário que já tem 50 anos, permitindo uma ampliação na produção e um salto na comercialização da cadeia de carnes.

No Paraná, foi em 2006 que aconteceu o último foco de febre aftosa e de lá para cá os esforços do governo do estado para conseguir colocar o Paraná no mapa de área livre da doença sem uso de vacinas. Desde outubro de 2019, o rebanho paranaense não recebe mais vacina, mas conta com um grandioso e sério trabalho de fiscalização e cadastramento dos animais. Ano passado, em agosto, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento concedeu o reconhecimento nacional de Área Livre e, em maio, a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) dará o reconhecimento internacional.

ANÚNCIO

Nos últimos anos também foi realizado um extenso inquérito epidemiológico com coletas de amostras do sangue de quase 10 mil animais em 330 propriedades rurais, provando que o vírus já não circula no Paraná. Também há um esforço redobrado de vigilância nos 33 postos da Adapar (Agêcia de Defesa Agropecuária do Paraná), nas barreiras comuns com Santa Catarina e nas zonas de fronteira com Paraguai e Argentina.

Sem peste suína

Além de avançar no reconhecimento internacional como Área Livre de Aftosa sem Vacinação, o Paraná conquistou a chancela técnica da OIE como zona livre de peste suína clássica independente. Essa classificação retira o Estado de um grupo formado por 14 outros e garante vantagens sanitárias aos produtores locais no mercado internacional. Esse reconhecimento para o estado é uma segurança e garantia que abrem portas do comércio internacional de suínos.

O Paraná deve produzir, em 2021, cerca de 950 toneladas de carne de suínos, chegando mais próximo da produção de Santa Catarina, que é o maior produtor nacional. Com esse novo status, sem a peste suína, aumentarão os investimentos e – possivelmente – em 2 ou 3 anos o Paraná deverá ser o maior produtor de suínos do Brasil.

Criações livres da peste suína africana, deverá ampliar a criação.

Hugo Lopes Júnior
Últimos posts por Hugo Lopes Júnior (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Seminário Municipal da Agricultura Orgânica acontece em São Mateus do Sul
Cooperativa de agricultores vende produtos orgânicos diariamente em São Mateus do Sul
Plantio da safra de batatas quase no fim