Política e Cidadania

Partido Comunista do Brasil lança pré-candidato a prefeito em São Mateus do Sul

Foto: Gazeta Informativa

Foto: Gazeta Informativa

Em São Mateus do Sul, até o momento, nove políticos declararam-se pré-candidatos à prefeito em outubro deste ano, sendo eles: advogado e diretor da rádio Cultura Sul FM, Emerson Bacil, pelo PTB; o atual vice-prefeito Clóvis Distéfano (PSC); o ex-prefeito Francisco Luiz Ulbrich, o Tiquinho (PMDB); o ex-prefeito Luiz Adyr Gonçalves Pereira (PSDB); o vereador Luiz Cesar Pabis (PT); o ex-secretário de Planejamento Hemerson Baptista (PCdoB); os vereadores Miguel Paulo Ferreira (PRB) e Omar Picheth (PDT); e a educadora Telma Staniszewski (PP). Todos os candidatos terão o mesmo espaço no jornal, onde poderão informar suas ideias. Em reportagem especial, a pré-candidata Telma foi a primeira ser apresentada. Nesta edição você confere a reportagem com Hemerson Baptista.

O cenário só deve se afunilar com a realização das convenções partidárias, entre 20 de julho e 5 de agosto, a partir das quais efetivam-se a escolha dos candidatos e as decisões sobre coligações. Boa parte dos pré-candidatos, no entanto, já vêm divulgando suas ideias, principalmente pelas redes sociais. O partido político mais antigo do Brasil, o PCdoB fundado em 1922, se formou em São Mateus do Sul somente no final de 2013. Mas já neste ano se apresenta com pré-candidato a prefeito. Trata-se de Hemerson Baptista da Silva Cardoso, empregado da Petrobras que mora na cidade há 10 anos. Nasceu em Caxias do Sul e, ainda criança, a família mudou-se para Porto Alegre, capital gaúcha, onde viveu até seus 24 anos. Morando em Joinville, prestou concurso público para a Petrobras em 2004 e conseguiu a primeira colocação entre mais de 400 concorrentes para o cargo de técnico de contabilidade. Em pouco mais de um ano na companhia, foi convidado a assumir a função de supervisor na SIX a partir de janeiro de 2006, quando se mudou para São Mateus do Sul. Casado, com dois filhos, completa 44 anos de idade no próximo dia 21 de setembro, mesmo dia do aniversário do município. Graduado em Ciências Contábeis pela Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul), se especializou em Gestão Pública e Responsabilidade Fiscal. Passou a se envolver diretamente na política como ativista digital, quando manteve o blog Vivasamas no qual escrevia artigos de opinião. Nas eleições passadas, foi candidato a vereador pelo Partido dos Trabalhadores. Participou no primeiro ano do atual governo municipal a frente da Secretaria de Planejamento. Em 2013 ajudou a fundar o Partido Comunista do Brasil em São Mateus do Sul, sendo o atual presidente do diretório municipal. A Gazeta Informativa entrevistou Hemerson Baptista sobre sua pré-candidatura a prefeito. Confira:

Gazeta Informativa (GI) – Por que você é pré-candidato a prefeito?
Hemerson Baptista (HB): Me disponho a esse desafio porque acredito que fora da política não há possibilidade de melhorar nossa vida em sociedade. Por gostar muito de política, mas principalmente por acreditar que ainda podemos construir um mundo melhor para todos, que me sinto motivado para ajudar nessa construção. Com minha pré-candidatura, espero incentivar muito mais cidadãos a participarem da política com ética e senso humanitário.

GI – Por que você saiu do governo Ledur?
HB: Foi uma decisão difícil, pois havia me disposto a estruturar uma área fundamental para o sucesso de qualquer administração pública: o planejamento. Encontrei um setor zerado em estrutura. Ajudei a dar um pouco de organicidade à secretaria, mas ao tentar colocar o planejamento como área estratégica da Prefeitura, creio que alguns interesses político-partidários foram ameaçados. Passei a identificar armadilhas que o próprio sistema me colocava. Quando me vi tendo que restringir as ações da secretaria apenas a execução de tarefas corriqueiras, como inclusão de dados e emissão de relatórios contábeis, então decidi voltar ao meu trabalho na Petrobras. Mas apesar de pouco tempo, consegui emplacar coisas importantes para o município, como por exemplo, a elaboração e aprovação da Lei nº 2.226/2013 que instituiu método de planejamento participativo em São Mateus do Sul.

GI – Por que você mudou de partido e por que o PCdoB?
HB: Com a experiência vivenciada na Prefeitura e no relacionamento com a Câmara, percebi que a maioria dos políticos não trabalha em cima de embates ideológicos. Olham exclusivamente o lado prático porque é mais fácil se eleger quando se trabalha apenas com o senso comum dos cidadãos. Assim ficamos reféns de um sistema de troca de favores. E isso eu creio que seja muito ruim, porque os reais objetivos das ações políticas ficam obscuros. Para ajudar na difusão dessa ideia, de que precisamos fortalecer o embate ideológico democrático, foi que decidi mudar para o PCdoB. Eu quis abrir um outro campo de esquerda em São Mateus. E o PCdoB é um partido que possui sólida formação política, e sempre esteve do lado certo da História, a favor da soberania do país, a favor da justiça social e da liberdade democrática.

GI – Quais são seus objetivos na política?
HB: Acredito que todos nós somos seres políticos a partir do momento que sentimos a necessidade de se organizar minimamente para poder viver bem em sociedade. Portanto, meu objetivo na política é ser um bom exemplo de como cada cidadão pode agir em benefício da coletividade. Quanto mais gente consciente do seu papel político, melhor será nosso convívio humano, mais harmonia e respeito teremos em nosso dia-a-dia. Como a minha formação profissional é na área administrativa, creio que sou capaz de colaborar bastante na minha comunidade através da política, liderando o executivo municipal.

GI – Na sua visão, quais são os principais problemas de São Mateus do Sul? O que deve ser feito para solucioná-los?
HB: Poderia listar aqui alguns problemas que são comuns à grande parte dos municípios brasileiros, mas prefiro dizer que todos eles decorrem basicamente da falta de uma visão estratégica das lideranças políticas. Digo isso porque é notória a ausência em São Mateus de um planejamento de longuíssimo prazo. Acho importante pensarmos o município daqui 30, 40 anos. Só assim podemos começar a solucionar os problemas estruturais, que são os verdadeiros entraves para o desenvolvimento tanto do ponto de vista econômico, quanto principalmente no aspecto social.

GI – Qual sua visão sobre a situação atual do Brasil? E do Paraná?
HB: Infelizmente estamos passando por uma instabilidade política sem precedentes, que pode resultar em um enorme retrocesso nos direitos conquistados pelas pessoas mais pobres. É um verdadeiro tiro no pé retirar esses direitos, porque se os pobres melhoram sua condição financeira, a economia como um todo melhora também. Mas há também a necessidade de valorizar a cultura, a educação das classes menos favorecidas. Esse golpe de estado está servindo para redirecionar as riquezas do Brasil para os grandes detentores de capital, megaempresas estrangeiras. O Paraná também se ressente de uma crise que acredito ser provocada pelo próprio governo do Estado, que a meu ver tenta esconder da opinião pública seríssimos problemas éticos e de competência administrativa.

GI – Qual seria sua primeira ação a frente da Prefeitura?
HB: Conclamar os servidores públicos a se unirem no trabalho de reestruturação administrativa da Prefeitura. Conquistar a confiança e o comprometimento do pessoal no sentido de transformar a realidade do serviço público. Desde a pré-campanha já estaremos apresentando nossas ideias. Caso a candidatura se confirme e venhamos a ser escolhidos, a maioria dos servidores, se não a totalidade, já terá conhecimento das tarefas de reorganização construídas com transparência. O objetivo desse trabalho é um só: transformar a Prefeitura num local onde todos os trabalhadores sentem orgulho de estarem servindo a população, pois terão reconhecimento profissional, oportunidades de crescimento e remuneração justa. Enfim, um ambiente harmonioso em que as pessoas se sintam felizes com seu trabalho e ao mesmo tempo saibam da sua grande responsabilidade por ajudar São Mateus a ser cada vez melhor para se viver.

GI – Fique à vontade para suas considerações finais.
HB: Agradeço a Gazeta Informativa pela oportunidade de poder amplificar nossas ideias. O papel da imprensa é importantíssimo para a cidadania. Acredito firmemente que São Mateus do Sul terá uma eleição diferente nesse ano, para melhor. Os cidadãos estão mais conscientes, mais questionadores, e por isso os candidatos serão mais exigidos. Dessa forma, podemos qualificar a política. Evitar esse processo extremamente ruim para a sociedade, que é a criminalização da política. Todos nós, candidatos ou não, somos convidados a dar nossa contribuição naquilo que eu chamo de renovação da cidadania. Este será o mote da nossa campanha. Renovar a cidadania significa repensar nosso papel na comunidade, de atores sociais, de agentes de valorização humana. Todos queremos um lugar melhor para viver. Somos plenamente capazes de construir esse lugar aqui mesmo, agora mesmo.

Thaís Siqueira

Fundadora e proprietária da Gazeta Informativa, graduada em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo e pós-graduada em Produção e Avaliação de Conteúdos para as Mídias Digitais.

Últimos posts por Thaís Siqueira (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Campanha Biométrica é concluída com 96% da meta atingida em São Mateus do Sul e 92% em Antônio Olinto
Projeto de lei que proíbe uso de fogos de artifício é aprovado em 1ª votação
Vereadores são-mateuenses apresentam projeto de lei que institui a Semana Municipal do Idoso em São Mateus do Sul

Os comentários estão fechados