Reflexão com Padre Marcelo S. de Lara

Páscoa: celebração da vida em Deus

Domingo, dia 5 de abril, os cristãos comemoram a festa litúrgica, a celebração da fé mais importante durante todo o ano, a Páscoa.

A Páscoa é a festa que dá sentido ao cristianismo, é por ela que os cristãos vivem sua fé e dão sentido a sua vida. Todas as celebrações anuais celebradas dentro do chamado Calendário Litúrgico, organizado para os cristãos católicos, tem como centro, como ponto de partida e ponto de chegada, a festa da Páscoa.

Evidente que o povo judeu, antes mesmo do tempo de Jesus já celebrava a Páscoa, assim como celebra ainda hoje, porém para eles, a Páscoa Judaica tem um outro sentido.

A Origem:

Para os judeus, a Páscoa lembra a saída do Povo de Israel escravo no Egito durante cerca de 400 anos, recorda a liberdade dada por Deus ao Povo com a ajuda de seu líder Moisés.

A Palavra Páscoa vem da palavra hebraica Pessach, que significa passagem, “passar sobre”, e está relacionada à última das dez pragas do Egito, quando os filhos primogênitos dos egípcios foram mortos por um anjo enviado por Deus, que “passou sobre” as casas dos judeus, que haviam pintado os umbrais de suas portas com sangue de cordeiro, para que Deus pudesse distingui-los dos demais, e assim, seus primogênitos foram poupados.

Os primeiros cristãos, vendo em Jesus o Messias esperado e prometido pelas profecias do Antigo Testamento, reconhecendo N’Ele o Filho de Deus, que pregou ao mundo o Reino de Deus, o projeto do Pai de felicidade à humanidade, que sofreu, morreu por todos nós e que Ressuscitou ao terceiro dia após sua morte, começaram a se reunir para celebrar essa vida, morte e ressurreição de Jesus. Assim, a Páscoa para os cristãos, ainda que seguindo uma tradição judaica, adquire um novo sentido.

O sentido cristão da Páscoa:

A liberdade que o Povo de Israel teve saindo da escravidão do Egito prefigurou a liberdade da escravidão do pecado dada a nós pela Morte e Ressurreição de Jesus Cristo, o Filho de Deus. Jesus já na quinta-feira Santa, ao lavar os pés dos discípulos, dando exemplo do serviço como gesto de amor, institui a Eucaristia. Ou seja, em um ritual da ceia judaica, Jesus torna o pão e o vinho o Seu Corpo e o Seu Sangue, Sua Vida que dará livremente na sexta-feira Santa na Cruz.

O objetivo é devolver à humanidade, a dignidade divina perdida pelo pecado original, é dar ao ser humano a garantia da vida eterna, o que pelas próprias capacidades o ser humano não conseguiria alcançar devido a incapacidade humana gerada pelo pecado. Todo ano então, os cristãos celebram a alegria dessa vida feliz garantida por Deus.

Pela morte de Jesus na cruz, essa Vida Eterna Feliz está à disposição de todos. O que é necessário agora é que cada um, dentro de sua liberdade correspondendo a esse amor de Deus, trilhe os caminhos propostos por Ele para chegar nessa Vida Feliz. O “presente” já está pago, só basta o buscarmos se o desejarmos tê-lo.

A Páscoa é então a celebração da vida nova, da vida feliz do ser humano, de buscar junto com Cristo deixar de lado aquilo que, por atitudes, pensamentos e comportamentos nos tornam infelizes, não nos realiza, não nos faz sentir a alegria da Vida Divina que realiza por completo o ser humano.

Que possamos valorizar nossa vida, nossa dignidade humana dada por Deus, corresponder em nossa vida a esse amor que Deus tem por cada um de nós, seus filhos.

A marcação da data da Páscoa:

A libertação do Povo de Israel escravo no Egito aconteceu quando na Bacia do Mediterrâneo começava a Primavera que ocorria no mês, em hebraico (Nissan), que corresponde mais ou menos aos últimos dias de Março e meados de Abril para nós. Por isso, a Páscoa Cristã, lembrando a Ressurreição de Jesus, é celebrada sempre após a primeira lua cheia, que ocorre no início da primavera, no Hemisfério Norte. A data da Páscoa cai então, sempre entre os dias 22 de março e 25 de abril.

Feliz Páscoa a todos!

Últimos posts por Pe. Marcelo S. de Lara (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Que diferença fazemos?
Nas Inspirações do Espírito
Redução da Maioridade Penal: Vamos pensar