Retirada mecânica da batata não dispensa mão de obra. (Fotos: Gilson Abreu/AEN)

O Paraná está finalizando o plantio da safra de batata, chegando a 93% do total previsto que será de 12,1 mil hectares para 2020/2021. A área da safra passada foi ligeiramente menor, mas a expectativa para este ano é que sejam colhidas 352 mil toneladas, cerca de 20% a mais do que no período anterior. Essas são projeções do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento.

Pelos levantamentos realizados, as áreas de plantio apresentam-se em boas condições, com preparo do solo e também dentro das expectativas de chuvas, possibilitando a produtividade média esperada para os produtores na safra, que é de 29.166 kg/ha, ou 583 sacas de 50 kg.

O Paraná estima produzir 812,6 mil toneladas de batatas até o final da segunda safra, que termina antes do inverno. O Estado é o segundo maior produtor do País, atrás de Minas Gerais, sendo responsável por 20% da produção nacional. A produção se concentra na região metropolitana de Curitiba, na região de Guarapuava e na região dos Campos Gerais, que chega até São Mateus do Sul.

Muita importância econômica na cultura da batata.

O Paraná cultiva duas safras de batata: a das águas, plantada entre agosto e dezembro, e a safra da seca, que é semeada nos meses de dezembro a maio. Da primeira, foram colhidas 460,6 mil toneladas e a expectativa da segunda é colher 352 mil até o final de maio e início de junho. O Estado também domina toda a cadeia produtiva em um processo que envolve tecnologias de ponta em todas as etapas e um grande contingente de trabalhadores. Tecnologia desde a produção de sementes apropriadas ao nosso solo, as técnicas de plantio e monitoramento, colheita e o beneficiamento do produto. Hoje, são utilizadas técnicas avançadas de monitoramento em muitas lavouras, tendo até mesmo a utilização de drones que mapeiam as áreas e softwares que indicam com precisão locais que necessitam e quando necessitam de mais umidade, defensivos ou adubos, evitando desperdícios e otimizando o uso dos equipamentos.

A batata é peça importante na dieta brasileira, sendo frita, assada, cozida, para fazer purê, engrossar a sopa ou comer com um franguinho. Ela é presença obrigatória em uma infinidade de pratos e, por se tratar de produto bastante perecível, parte da colheita e do beneficiamento ainda exige muita mão de obra. Os produtores estimam que milhares de postos de trabalho sejam criados no auge da safra, pois o cultivo demanda de um número alto de funcionários, desde o preparo do solo até a chegada nos armazéns. Por alqueire de lavoura, necessita certa de 50 funcionários, sendo 8 no plantio e mais de 40 na colheita. No beneficiamento do produto são necessários muito mais para dar conta da lavagem, classificação, carregamento e transporte. Sem contar nos empregos indiretos de técnicos agrícolas, agrônomos, fornecedoras de insumos, oficinas e revendas. A produção de batata certamente é uma grande geradora de empregos.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Palestra sobre nota fiscal eletrônica para produtores rurais será realizada nesta quarta (21)
Produtores participam de palestras sobre o mercado da erva-mate em São Mateus do Sul
Feira Livre do Produtor de São Mateus do Sul completa 30 anos