(Foto: Felipe Ribacz/Gazeta Informativa)

Ó meu glorioso Pery
Saudades tenho de ti
Teu nome é bem brasileiro
De índio bravo guerreiro

Destemido igual gigante
Com tua força possante
Com prazer e alegria
Muito bem te dirigia

Te levava com cuidado
Para não ser abalroado
Em rio calmo ou correntoso
Lá ia você formoso

Como alguém apaixonado
Sempre estava acompanhado
Das damas Yara e Cecy
Tão belas iguais a ti

No Iguaçu o mais ligeiro
Vencia teus companheiros
Quer vazio ou carregado
Com erva e pinho serrado

Em Proa Peito de Ganso
Viajava pelo remanso
Sem saber que condenado
A fim de ser desmanchado

Entretanto teve sorte
Escapando-te da morte
Enquanto teus companheiros
Morreram nos estaleiros

Não ouvi mais teu apito
Estridente e bonito
Quando tudo terminou
O Iguaçu silenciou
Te deixaram no alagado
Pela empresa abandonado
Depois que a água baixou
No mesmo lugar ficou

Por urubus invadido
Quase todo destruído
Muitos anos se passaram
De longo sono acordaram

Construído novamente
Embora bem diferente
Em lugar bem apropriado
Está em concreto armado

Sendo símbolo importante
Meu amigo visitante
Basta chegar ali
E visitar o Pery

Conhecerá o passado
Do vapor mais afamado
Nos rios que navegou
Somente a história ficou

Raul Ferreira Döepfer – Piloto do vapor Pery

Nota: Raul Ferreira Döepfer nasceu em São Mateus do Sul, em 1924. Foi piloto do vapor Pery durante cinco anos e escreveu esta poesia que foi transcrita na sua forma original.

DÖEPFER, Raul Ferreira. Nas asas do pensamento. Curitiba, 2006.p.51

Últimos posts por Hilda Jocele Digner (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Instituto Imaculada Conceição: evocando memórias
Retratos de Casamento: o dia especial
Rio Iguaçu: a fotografia poética