Política e Cidadania

População fica indignada por vereadores votarem aumento do próprio salário

Foto: Thaís Siqueira

Foto: Thaís Siqueira

Na última segunda-feira, 24, entrou em primeira votação na Câmara Municipal de São Mateus do Sul, o projeto de lei nº 015/2015 que dispõe reajuste salarial aos vereadores, de autoria dos vereadores Manoel Ferreto (PSDB), Mário Stori Stuski (DEM), Geraldo Altevir de Paula e Silva (Solidariedade), Antônio Wilson Waligurski – Bira (PPS) e Miguel Paulo Ferreira (PRB).

O presidente da casa, Enéas Melnisk (PPS), que não tem direito de votar, destaca que o projeto não trata-se de aumento real no subsídio dos vereadores mas do reajuste da inflação. “Eu acho que o reajuste é injusto na atual conjectura econômica do País, não só para o Poder Legislativo, mas para todos os outros poderes também, uma vez que vemos no noticiário que os Ministros do Supremo Tribunal Federal estão tentando também um aumento nas suas remunerações. Isso vai desencadear um aumento na remuneração de presidente, governadores, prefeitos, senadores, deputados federais, deputados estaduais, desembargadores, juízes, promotores e vereadores de todo o país”, comenta.

O vereador Omar Raimundo Picheth Neto (PDT) não compareceu à sessão e somente o vereador Rui Rossetim (PT) votou contrário. “É incoerente de minha parte ser favorável à proposta, levando em conta os movimentos sociais aos quais estou inserido”, justifica.

O reajuste salarial é de 8,41%, conforme percentual medido pelo índice acumulado do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), referente ao período de abril de 2014 a março de 2015. Atualmente a remuneração bruta dos vereados de São Mateus do Sul corresponde ao valor de R$ 6.210,00 e caso o projeto seja aprovado e sancionado posteriormente pelo executivo, passarão a receber R$ 6.732. Ainda conforme a proposição, a lei entra em vigor na data de sua publicação, com efeitos retroativos a partir de abril de 2015.

Mobilização

De acordo com informações da Câmara, a segunda votação do projeto foi marcada durante a sessão do dia 24, quando ocorreu a primeira votação, e está prevista para acontecer na sessão extraordinária de quinta-feira, 27. “Foi requerido na sessão passada que fosse marcado a segunda votação para esta data e foi anunciado na sessão. Infelizmente as pessoas não prestam atenção e falam coisas erradas, inclusive algumas mídias locais, que noticiou que a segunda votação seria na segunda-feira, dia 31 de agosto, uma vez que não existe sessão surpresa ou secreta”, diz Enéas.

Os cidadãos são-mateuenses que discordam com o reajuste, já vêm se mobilizando através das redes sociais para marcarem presença na sessão, que promete um número alto de público.

De acordo com um dos organizadores da mobilização, Emmanuel de Lima Maciel, “a importância deste movimento é demonstrar que o povo são-mateuense, ou um determinado grupo de pessoas, não se calarão diante de prováveis irregularidades ou atos praticados por aqueles que nos representam perante o município”, diz.

Emmanuel destaca que a mobilização tem como objetivo, primeiramente, a tentativa de redução salarial dos vereadores. Não se trata de nenhuma perseguição pessoal, e sim uma busca sensata de valor salarial condizente com o trabalho exercido.

Os organizadores da mobilização acreditam, e muito, que haverá uma grande quantidade de manifestantes na sessão da câmara, pois ao menos nas redes sociais há confirmação expressiva de presença no dia da sessão. “Muito embora acreditamos que haverá uma manobra por parte dos vereadores para que tal votação ocorra antes mesmo da data prevista. Estaremos atentos, não baixaremos a guarda, tampouco desanimaremos. O grupo está determinado e ansioso”, afirma Emmanuel.

O professor, Cristian Gonçalves Ferreira, que esteve presente na sessão, diz achar uma falta de respeito com o povo que vem sofrendo com a crise enfrentada no país, e principalmente neste momento onde há diversos movimentos para redução salarial dos vereadores no estado do Paraná. “Nossa Câmara poderia ter dado exemplo reprovando tal reajuste e propondo espontaneamente uma redução salarial. O povo precisa se unir. Eu farei meu dever de cidadão vou na câmara reforçar este movimento. Se o povo for fazer pressão acredito que vão repensar e não aprovar um projeto que deixa o povo insatisfeito e indignado, mas se não comparecermos para pressionar será aprovado novamente”, fala.

Neste momento, Cristian acredita não haver prós neste projeto. “Mas contra vejo os problemas que diariamente estamos vivenciando onde a taxa de desemprego sobe em nossa cidade, ruas cheias de buracos, saúde em decadência, lojas fechando, jovens buscando oportunidades de emprego em outras cidades e o índice de criminalidade subindo, creio ser mais que suficiente o subsídio pago atualmente, eles são responsáveis por fiscalizar onde é investido o dinheiro público e pela elaboração de leis, que devem propiciar benfeitorias, obras e serviços para o bem-estar da vida da população em geral, o povo vive hoje um momento de insatisfação política”, finaliza.

Fora do ar

De acordo com Enéas o site da Câmara, que funciona como portal da transparência, está fora do ar há algumas semanas, devido algumas manutenções e modificações que estão sendo realizadas para melhorar o sistema. Já, sobre à página no Facebook, que não está disponível desde terça-feira, 25, justifica: “A página foi tirada do ar por causa da existência de algumas pessoas que são leigas em política, que utilizam a ferramenta para xingarem os parlamentares. Devido a isso, toda população sai no prejuízo. Eu acho que não dá pra ter essa liberdade de discussão, por isso vai ficar no ar apenas o site, quando ele estiver pronto”, conclui Enéas.

Leia mais: Projeto que dispõe reajuste salarial aos vereadores pode ser cancelado ainda hoje

Fundadora e proprietária da Gazeta Informativa, graduada em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo e pós-graduada em Produção e Avaliação de Conteúdos para as Mídias Digitais.

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Câmara Municipal de São Mateus do Sul elege nova mesa diretora para o biênio 2019/2020
Sessão solene é realizada em homenagem ao Grupo Jovens Unidos em Cristo (JUC)
Projeto de lei sobre o Programa de Recuperação Fiscal é aprovado em primeira votação

Deixe seu comentário

*