Jornal de São Mateus do Sul (PR) e região

Prefeitura de São Mateus do Sul firma parceria com ONG 4 Patas para a castração de cães

Programa para a castração de cadelas de rua visa a diminuição da população canina nas ruas do município e cerca de R$ 141 mil serão investidos pela prefeitura municipal no programa. (Foto: Alexandre Müller)

No dia 28 de dezembro a Prefeitura Municipal de São Mateus do Sul firmou uma Ata de Registro de Preços com estabelecimento especializado na cidade para castração de cadelas e consolidou parceria com a Organização Não Governamental (ONG) 4 Patas para colaborar com a seleção dos animais.

De acordo com o secretário de Meio Ambiente, Hélio Sakurai, o procedimento de castração será realizado em até 30 animais mensalmente a um custo de cerca de R$ 393,78 a cada fêmea, incluindo a castração, a anestesia, o pós-operatório, 10 dias de internamento e ainda a colocação de um chip de identificação em cada animal. O programa tem a duração de um ano e iniciou suas atividades já nesta segunda semana de 2018.

Segundo pesquisa realizada pela gestão municipal em 2015, São Mateus do Sul possui cerca de 6,5 mil cães, de acordo com um estudo coordenado pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) no município. “Este é um número aproximado. A estimativa é que no Brasil tenha 30 milhões de cães abandonados. Na proporção do Brasil, São Mateus do Sul teria em média 6.700 cães nestas situações, mas acredito que seja menos que isto, pois estamos acima da média do Brasil. A verdade é que este contrato tem que continuar por alguns anos para ter efetividade”, conclui o secretário.

De acordo com Zely Carla Samways dos Santos, presidente da ONG 4 Patas, a entidade de proteção aos animais ajudará nesta seleção. As prioridades são cadelas de rua, cadelas semi-domiciliadas ou aquelas que andam pelas ruas apesar de terem proprietários, sendo estes carentes. Os interessados em cadastrar seu animal deverão procurar a Secretaria de Meio Ambiente ou entrar em contato com a página do grupo nas redes sociais.

“A ONG ainda está se organizando para este auxílio à seleção das cadelas a serem castradas pelo município, mas a princípio indicaremos aquelas que já temos conhecimento e programávamos castrar pela entidade”, enfoca Carla.
Atualmente a ONG 4 Patas executa um projeto de castração de cães de rua e semi domiciliados com o intuito de controle populacional utilizando de recursos próprios, baseado na mensalidade dos sócios a entidade promoveu mais de 50 castrações nos últimos 3 meses, entre fêmeas e machos. “Agora como a Prefeitura castrará as fêmeas, a ONG passará a castrar somente os machos”, enfocam as voluntárias.

“Vamos realizar um trabalho em conjunto entre o poder público e a ONG, sabemos também que não vamos resolver todo o problema, mas queremos amenizar a situação”, afirma o prefeito municipal Luiz Adyr Gonçalves Pereira.

O trabalho da entidade

O propósito da ONG 4 Patas é promover uma relação de amor e respeito entre homens e animais, bem como atuar de maneira sócio educativa por acreditar que a educação para a guarda responsável é peça chave para a efetivação do controle populacional dos animais.

Considera-se como guarda responsável: a vacinação contra doenças; a castração; manter o animal sem pulgas e carrapatos; não deixar sair do pátio; não manter amarrado; oferecer ração adequada e água fresca; educar e o indispensável, fornecer carinho.

A ONG não realiza resgates, “muitos amigos nos marcam no Facebook na esperança de que iremos buscar um cão atropelado, doente, perdido, abandonado, que está latindo para moto, com espinhos de ouriço, etc. Mas não fazemos este tipo de trabalho por vários motivos: não possuímos canil (nem nunca teremos porque seria um local de descarte para aqueles que querem se livrar dos cães), não possuímos pessoas para este trabalho (todos os poucos voluntários que temos trabalham o dia todo pois são pessoas normais), resgates não estão previstos no nosso projeto, apenas castrações, e principalmente temos que manter o foco pois se quisermos fazer tudo não faremos nada”, aclamam as voluntárias que se empenham na causa. A ONG também não acolhe denúncias de maus tratos que devem ser denunciados à Polícia Militar ou Civil.

“É direito e obrigação do cidadão de bem denunciar maus tratos quando presencia ou sabe da ocorrência, é uma atitude de cidadania”, completa Lila Vidal, uma das voluntárias.

Alexandre Müller

Alexandre Müller

Repórter | E-mail para contato: alexandre@gazetainformativa.com.br
Alexandre Müller
Compartilhe esta reportagem...Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Print this page


Comentários: