(Fotos: CMEI Tia Dirce)

Dando continuidade ao “Projeto bons hábitos alimentares”, que acontece durante todo o ano, supervisionado pelas nutricionistas da Merenda Escolar, Edilselia Cegan (Dil) e Cristiani Roveda Ernsti, o Centro Municipal de Educação Infantil Tia Dirce, da vila Prohmann, em São Mateus do Sul, realizou recentemente uma atividade criativa, lúdica e divertida que chamou a atenção de todos.

As professoras notaram que os alunos não queriam tomar leite, fizeram uma vaquinha e colocaram eles para ordenhar, resultado, todos quiseram tomar o leite da vaquinha que eles tiraram. O objetivo do projeto é diminuir o consumo de açúcar e incentivar o consumo do leite sem o achocolatado. “Quando repassado para a diretora, ela e sua equipe com muito engajamento e dedicação fizeram este trabalho dar certo e ser um sucesso”, diz a nutricionista Dil.

O leite e os produtos lácteos fornecem cálcio, fósforo, magnésio e proteínas essenciais para a formação e reparação óssea. Um consumo adequado destes produtos ao longo da vida permite manter a densidade óssea em níveis adequados, protegendo contra doenças como osteoporose. A nutricionista Dil frisa, “não estamos obrigando nenhuma criança a consumir leite e sim retirando o hábito do leite com achocolatado”.

Durante a atividade, as crianças aprimoraram várias habilidades e alguns alunos realizaram comparações com fatos do cotidiano”, conta a professora Cristiane M. Ducate do Infantil III. “Foi sem dúvida uma aula divertida e cheia em aprendizado”, diz a professora Elisea Glinski do Infantil IV.

“Os olhinhos deles brilhavam ao ver sair das ‘tetas’ feitas de luva cirúrgica, o tão esperado leite. O Bernardo amou e já fez a ordenha várias vezes. Se divertiu bastante como se realmente estivesse numa fazenda! Aprender brincando é sempre mais prazeroso”, comenta a professora Janete Pereira Fernandes do Infantil III. “As crianças amaram e nós achamos incrível!”, fala a professora Ana Paula Reis do Infantil II.

As professoras Janete e Elisea em um primeiro momento fizeram com as turmas do Infantil III e IV a vaquinha de papel e tinta guache, para finalizar, adicionaram uma luva representando a teta da vaca, com uma perfuração em um dos dedos da luva, para que quando apertasse saísse o leite.

Em um segundo momento, na roda da conversa, com o auxílio de vídeos e imagens, as professoras mostraram que o leite sai da vaca, vai para a indústria, sofre um processo de transformação e vira produto industrializado e que o leite pode virar outros produtos tais como: queijos, leites de caixinha variados, leite em pó, iogurte, requeijão etc.

Também foram realizadas atividades pedagógicas no papel. Os alunos ao final do processo saborearam o leite onde todos experimentaram. “As crianças do infantil V ficaram muito entusiasmadas com a presença da vaquinha na sala. Todos quiseram experimentar ‘ordenhar o leitinho’ dramatizando um pouco a experiência da lida com os animais do sítio. Sem dúvidas foi muito enriquecedora e estimulante essa prática para as nossas crianças que agora já estão aderindo melhor o leitinho durante as refeições e aprenderam que o leite é um alimento muito saudável para a nossa vida”, relata a professora Vanessa Chula.

“As crianças adoraram a experiência, pois quando o aprendizado vem por meio do lúdico as crianças se apropriam com mais facilidade do conhecimento e o saber torna-se uma brincadeira de aprender”, diz a diretora Josiane Legowski. Segundo Josiane, o CMEI não tem nenhuma criança com alergia ou intolerância ao leite. De qualquer forma, a atividade foi feita com tinta guache simulando o leite. E para as crianças com intolerância ou alergia seria servido o leite vegetal. Que também é fornecido pelo setor de merenda escolar conforme demanda.

“Que bom quando temos professores engajados e uma diretora que faz a diferença”, conclui a nutricionista Dil.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Antonio Olinto recebe 2ª edição do projeto “Slava Ukraini”
Estudantes de São Mateus do Sul ingressam em matemática e medicina pelo Enem
SEMEC promove curso de primeiros socorros às professoras da Rede Municipal de Ensino da Zona Rural