Educação e Cultura

Projeto: O Olhar da Escola frente ao Bullying

Cátia Alórem Palhano (Foto: Arquivo Pessoal)

Universitária preocupada com o que percebia nas escolas de São Mateus do Sul, resolveu pesquisar sobre este relevante tema,
com a finalidade de conhecer o olhar da escola na prevenção ao Bullying no ambiente escolar

Sonhamos com uma sociedade livre da violência, uma escola a qual educa para a cidadania, enfim, um mundo cada vez melhor para se viver. Porém, o que se vê é um direcionamento da sociedade sem grandes perspectivas. Em alguns momentos, pensa-se de que a violência faz parte da sociedade, pois já se tornou rotineiro. Mas é preciso combater a violência, por mais simples que seja. E o Bullying é um estilo de violência que pode ocorrer em qualquer contexto social, como escolas, universidades, famílias, vizinhança e locais de trabalho. O que, à primeira vista, pode parecer um simples apelido inofensivo, mas que pode afetar emocionalmente e fisicamente a pessoa que está sofrendo o bullying. O Bullying se caracteriza por agressões intencionais, verbais, físicas, de forma repetitiva, por uma ou mais pessoas, constrangendo aquela pessoa a qual é alvo da agressão. A pesquisadora sãomateuense, Cátia Alórem Palhano, 20 anos, estudante do 3º período do curso de Licenciatura em Pedagogia na Universidade do Contestado, campus Canoinhas, preocupada com o que percebia nas escolas de São Mateus do Sul, resolveu pesquisar sobre este relevante tema, com a finalidade de conhecer o olhar da escola na prevenção ao Bullying no ambiente escolar.

“O diferencial deste projeto sobre Bullying, é pelo fato da pesquisa estar acontecendo em duas escolas públicas na cidade de São Mateus do Sul, o que talvez seja até pioneiro. E mais um diferencial é o empenho e o compromisso da pesquisadora. Não é comum, uma jovem, desde o início de um curso superior comprometer-se numa pesquisa, buscando um conhecimento científico sobre um tema pouco explorado. A pesquisadora Cátia, está de parabéns, orgulhando seus familiares, amigos e professores. É importante ressaltar também que, uma etapa vem sendo concluída, mas a Cátia já demonstra interesse em continuar a pesquisar o tema, num novo projeto”, é o que relata o orientador do projeto, Profº Me. Roque Hennemann.
Conforme Cátia, o projeto tem duração de um ano, tendo suas atividades iniciadas em Maio/2014 e suas atividades encerradas em Maio/2015.

No dia 06 de fevereiro, na parte da manhã, nas dependências do Colégio São Mateus, em uma capacitação da Semana Pedagógica de professores e funcionários do referido colégio, Cátia ministrou uma palestra sobre o seu projeto. “Sempre, quando surgem oportunidades para os nossos orientandos, de ministrar uma palestra, é importante a presença do orientador. Até para que possa tranquilizar os mesmos quanto à sua explanação. Porém, na apresentação da Cátia, eu não pude estar presente, por compromissos assumidos anteriormente. Todavia, tomei conhecimento que o trabalho foi muito bem conduzido”, conta Roque.

Conforme Cátia, é necessário que a sociedade e não somente a escola, acredite que uma nova geração mais pacífica, é possível, onde os valores como tolerância e solidariedade, devem ser estimulados entre as pessoas, através do diálogo. Para isso é preciso que haja união e interesse de todos: direção da escola, professores, alunos e comunidade. “A abordagem do projeto contribui para que os educadores prestem mais atenção no comportamento dos alunos no ambiente escolar, onde muitas vezes não é percebido os casos de Bullying e sem a intervenção positiva do professor acarretará em consequências negativas no desenvolvimento do aluno”, comenta Cátia.

Cátia conta que a ideia do projeto surgiu na oportunidade de uma bolsa de pesquisa do Art.170 da Constituição do estado de Santa Catarina, que assim permitiria o conhecimento científico.

FUTURO

Para Cátia, os planos para o futuro são de iniciar um novo projeto, agora direcionando o foco para os professores, de casos de Bullying que os professores sofrem no cotidiano escolar.

INSPIRAÇÃO

“Inspiro-me em meus pais que me passaram valores de ética e dignidade e a quem sempre me apoiou e me ensinou que eu era capaz de mais. Agradeço aos meus antigos professores que se fizeram presentes no decorrer do projeto e na palestra e ao meu orientador Professor Me. Roque Henneman que me orientou todo esse ano de projeto”, finaliza.

Redação

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Eleições definirão novos diretores da rede municipal de ensino em São Mateus do Sul
Petrobras promove oficina de capacitação comunitária em gestão de riscos em São Mateus do Sul
Uniuv e Uniguaçu decidem dispensar as aulas devido a paralisação dos caminhoneiros