Reflexão com Padre Marcelo S. de Lara

Redes Sociais, sob nosso controle

Imagem Ilustrativa

Imagem Ilustrativa

Se pararmos para pensar, fazermos um momento de reflexão, de voltar no tempo da nossa própria vida, notaremos o quanto mudamos ou o quanto a sociedade mudou com o avanço das novas tecnologias e também com os espaços de relacionamentos virtuais nas redes sociais.

Mudamos mesmo. Mudamos nosso comportamento, nossa rotina do dia, nossa linguagem, nossas conversas, nossos temperamentos e nossa maneira de nos relacionarmos com as pessoas e com o mundo.

De muito positivo tem a evolução da tecnologia e os espaços de relacionamento nas redes sociais, mas há de ser ter cuidados importantes no seu uso para não nos prejudicarmos. Dentre as mudanças geradas no ser humano com isso, estão os problemas que, pessoalmente e socialmente enfrentamos.

Longe de pensar que espaços como facebook, whatsApp são campos livres para se fazer o que quer se sentindo em privacidade, é um engano. Por estas ferramentas nós mesmo somos vigiados. Tudo o que fazemos ali, o sistema tem conhecimento, controle. Basta fazermos uma pesquisa na internet de algum produto que gostamos, horas depois em nossas rede social somos bombardeados de propaganda daquele produto.

Tais ferramentas são importantes no mundo em que a comunicação é o motor que o move. Porém, precisamos saber usá-las. Revelar sua vida toda ali, como se fosse um álbum de fotografias pessoais, ou um diário de vida não seria recomendável.

Um segundo ponto de muita importância é nosso comportamento e dificuldades que percebemos nas pessoas diante desse mergulho no mundo virtual.

Outro dia um pessoa amiga minha se queixava que não conseguia estudar, não conseguia se concentrar mais; essa pessoa não conseguia ficar sem estar direto nas redes sociais. Você que está lendo este artigo se pergunte se não está sentindo uma certa angústia quando fica longe do celular, ou não podendo acessar suas redes sociais? Se, além de dormir com o celular perto, ao acordar, a primeira coisa que faz não é ver se tem mensagem ou ligação para você? Pode ser o começo de um vício.

Como dito acima, toda essa evolução são ferramentas de grande ajuda para nós, mas se soubermos usá-las. Nós devemos dominar a tecnologia e não sermos dominados por ela. A falta de concentração para estudar, a falta de atenção no trabalho, a ansiedade em grau elevado, já são sequelas de um vício, algo que não estamos conseguindo mais controlar.

Deixo para nós aqui este alerta. Que possamos fortalecer em nós a capacidade de domínio sobre nossos impulsos. Que sejamos livres em, nós mesmo decidirmos sobre a tecnologia, não nos tornando escravos dela, mas utilizando-a como ferramenta de auxílio. Agindo assim, certamente teremos mais qualidade de vida e em nossos relacionamentos. Faça você esta experiência!

Últimos posts por Pe. Marcelo S. de Lara (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Buscando o Essencial
Redução da Maioridade Penal: Vamos pensar
Corpus Christi: Jesus Vivo na Eucaristia