Artigo de Opinião

Reparamos demais nos outros e esquecemos da gente

Durante essa semana, presenciei inúmeras experiências na relação de ligação de pessoas com o próprio eu. Nos meus editoriais, percebo que falo muito da nossa interação com as outras pessoas, mas falho, esquecendo de retratar da conexão “nós com nós mesmos”.

Do jeito e da linguagem mais simples, muitas vezes nos preocupamos com as outras pessoas e esquecemos de olharmos e de repararmos em nós mesmos. Tonalidades da pele queimada pelo sol que resolveu dar as caras nas últimas semanas, o cabelo que acordou mais enrolado que o normal, o cansaço expressado em olheiras das nossas vidas aceleradas podem, e fazem parte da rotina despercebida.

O mundo e as pessoas estão cada vez mais ansiosas e agitadas com a proporção com que a rapidez de informação chega em questão de minutos. Nos preocupamos na manchete que fala que tal líder político foi caçado, ou aquela celebridade que resolveu se divorciar do “companheiro dos sonhos”.

Nos preocupamos que a filha da vizinha engravidou tão nova, e que “meu Deus você viu que o sobrinho do fulano está morando com um outro homem?”. Existem muitas coisas que precisam ser mudadas hoje, mas você já parou para pensar que a mudança só vai acontecer a partir do momento em que nos preocuparmos somente com a nossa vida?

O interesse com o alheio nos afasta da nossa própria vivência e mascara os nossos anseios e desejos. A partir do momento que cada pessoa lidar com a outra da maneira com que desejaria ser tratada é que a indiferença será apenas para desconsiderar quem ainda não começou a viver dessa maneira.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Não são as ruas que precisam ser acessíveis primeiro, mas sim as pessoas!
Já tive medo de falar
Potencialidade turística