A forte chuva de domingo afetou cerca de 100 pessoas. (Foto: Reprodução Portal Cultura Sul FM)

As fortes chuvas que caíram no domingo (7), em São Mateus do Sul, fez com que o Rio Canoas transbordasse, inundando casas nas proximidades. De acordo com Helio Toshio Sakurai, coordenador da Defesa Civil e Secretário Municipal de Meio Ambiente, foram 60 milímetros de chuva apenas no domingo, número que ultrapassa a capacidade de captação do Rio que corta a cidade.

Um dos principais locais danificados foi a Rua Desembargador Joaquim Ferreira Guimarães, onde em poucos minutos a água tomou conta das casas. De acordo com o Tenente Douglas Maltaca, responsável pelo Corpo de Bombeiros de São Mateus do Sul, a equipe colaborou com a retirada de pertences das casas de moradores da Vila Boaski, e alguns militares que estavam em período de folga disponibilizaram ajuda. “Aproximadamente 100 pessoas foram afetadas com as fortes chuvas”, informa.

Maltaca ressalta que o Corpo de Bombeiros realizou a retirada de uma família da residência, abrigando-a no ginásio municipal de esportes da Vila Amaral. Uma casa localizada na Rua Pedro Ignaszewski também foi evacuada por risco de desmoronamento na noite de domingo. A Defesa Civil informa que a Secretaria Municipal de Obras realizou a visita no local, e na segunda-feira (8), iniciou o trabalho de reforço na parte interna, que possuía rachaduras.

Problemas no Rio Canoas

Não é de hoje que os problemas relacionados ao Rio Canoas fazem parte da realidade de São Mateus do Sul. Sakurai informa que a Secretaria de Meio Ambiente vêm realizando um estudo de toda a área há cerca de 6 meses à pedido da Câmara Municipal de Vereadores. “Nós estudamos desde o início do Rio – na Rua Tenente Max Wolff Filho –, até a foz do Rio Iguaçu, onde o Canoas desagua”, explica o secretário. Durante a pesquisa, a equipe verificou que há gargalos durante o trecho, responsáveis pelo fluxo de água que percorre o Rio Canoas. “Um dos principais gargalos está localizado na Rua Desembargador Joaquim Ferreira Guimarães. Ali, em uma chuva de 50 milímetros a área de passagem é cerca de 60% da área necessária”, informa.

Uma das principais críticas feita pelos moradores foi a falta de planejamento na hora da construção dos gargalos, que não supre a necessidade do Rio Canoas. “Se mudamos apenas aquele ponto, vai sobrecarregar os outros trechos do Rio”, aponta Sakurai. Um dos problemas que também faz parte do trecho são as travessias.

A água de contribuição do braço do Rio Canoas é duas vezes a área da água que vem da barragem da Unidade de Industrialização do Xisto (SIX), da Petrobras. Questionado sobre as atitudes que possam ser feitas para minimizar os impactos das fortes chuvas, o secretário informa que uma das alternativas é a montagem de um tanque pulmão, que diminuirá as inundações. “A Câmara de Vereadores destinou uma verba para o gargalo da Rua Joaquim Ferreira Guimarães e a Secretaria Municipal de Obras já adquiriu as manilhas que minimizarão o problema do montante da Rua”, diz. Sakurai informa que os recursos são escassos para a resolução desses impactos, e os pontos principais são priorizados para diminuir o problema e evitar maiores danos à população.

De acordo com Cristian Renê Portes, morador da Vila Buaski, ele e seus vizinhos sofreram com as inundações de domingo e também nos anos anteriores. “O problema da Rua Pedro Ignaszewski é que toda a água que vem da chuva cai para nossa Rua”, diz. Segundo ele, os moradores aterraram algumas casas, e as localidades mais baixas acabam sofrendo com o água que acumula e impossibilita a locomoção de veículos e pedestres.

A Prefeitura Municipal está realizando a remoção da tubulação de manilhas existentes, escavação, rebaixamento e posteriormente a recolocação de galerias, em substituição às manilhas a fim de melhorar a vasão de água na Rua Desembargador Joaquim Ferreira Guimarães.

Está prevista ainda a limpeza do Rio Canoas, porém primeiro será realizado um levantamento de quanto material será retirado. Os resíduos que forem retirados, serão encaminhados às cavas da Petrobras.

Além disso, a Secretaria de Obras está realizando reparos na drenagem, no cruzamento das Ruas Casemiro Witkowski com a Rua Ledy Afonso Roderjan, na Vila Prohmann. O local está interditado, já que com as chuvas acabou ocorrendo uma ruptura no local.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Arrecadação vai permitir compra de prótese para estudante
Vale Feira/Real Mate começa a funcionar
Petrobras anuncia contrato de venda da SIX