Jornal de São Mateus do Sul (PR) e região

Roubos a residências deixa população são-mateuense apreensiva

O índice de crimes dessa categoria vem aumentando cada vez mais em nosso município, e a população pede ajuda. (Foto: Alexandre Müller/Gazeta Informativa)

“São Mateus do Sul já não é a mesma”, esta frase vem perpetuando nas conversas em nosso município, sempre após o acontecimento de fatos que atormentam os cidadãos e deixam de lado a calmaria da terra do xisto e erva-mate.

Infelizmente os assaltos nas diversas vilas do município estão se tornando uma realidade, mas nos últimos meses a comunidade nos entornos da Vila Pinheirinho vem sendo vítima de ações de roubos às residências e muita brutalidade. Recentemente, a residência do ex-prefeito Clóvis Genésio Ledur, localizada na mesma vila, foi o foco do último roubo na região. A casa foi invadida por três meliantes que diante o uso de muita violência, renderam a família e os mantiveram presos em determinado cômodo da residência, subtraindo diversos bens materiais e se evadindo do local com o carro do sogro do ex-prefeito, que também estava presente no momento do roubo na quarta-feira (21/06); veículo este que foi recuperado no final da última semana em Curitiba.

A mesma região já sofreu com outros três roubos e furtos – para tanto, salientamos: se um ladrão toma algo que pertence a outra pessoa sem estabelecer contato com ela, comete furto. Se houver contato com a vítima, violência ou ameaça, é roubo – assalto é um termo que não existe no direito, mas equivale ao roubo.

Todos os casos estão sobre investigação da Polícia Civil e veem constantemente sendo cobrados pelos prejudicados que exigem respostas. De acordo com a Polícia Militar, nos últimos meses estão sendo realizados patrulhamentos diários na região a fim de dar mais segurança aos moradores, mas os fatos inoportunos acontecem aleatoriamente e como já constatado não possuem vínculos uns com os outros.

De acordo com o Capitão da 3ª Companhia da Polícia Militar em São Mateus do Sul, Ederson Pinheiro Crevelim, o batalhão possui 4 viaturas (sendo uma rural), que auxiliam cerca de 22 policiais diariamente no combate ao crime e “tudo está sendo feito para garantir a segurança do povo são-mateuense”, enfatiza o capitão, que ainda complementa, “tudo vem sendo uma questão de oportunidade aos meliantes e cada um precisa fazer sua parte!”.

Uma prática cada vez mais comum e que vem sendo adotada por moradores é a criação de grupos no WhatsApp que visam a colaboração entre vizinhos no quesito segurança. Sempre após roubos, furtos e até mesmo golpes, mensagens são enviadas entre amigos, grupos e afins. Essa prática foi adotada, e os avisos são baseados sobre desconfiança de atitudes suspeitas e/ou veículos que circulam na vizinhança, e somente depois a polícia é comunicada, um ato que vem acontecendo e não permitindo assim, que atitudes sejam tomadas com brevidade.

Portanto, destaca Ederson Pinheiro Crevelim “a comunidade tem de conscientizar-se que é necessário comunicar o mais rápido possível, mesmo sob atitudes suspeitas e veículos estranhos, o 190 é o contato da urgência da Polícia Militar”.

De acordo com as vítimas, que mesmo após meses, ainda estão em estado de receio, o que os consola é a Sede de Justiça, a pressão às autoridades em busca de respostas e a segurança de que todos os esforços estão sendo tomados em prol a resolução dos crimes. Obviamente, a vida diária de cada uma destas famílias foi alterada e as cenas de violência não sairão tão facilmente de suas memórias.

Cada cidadão deve sim fazer sua parte. Seja no quesito investimento em segurança com a aquisição de câmeras, cercas elétricas, grades altas e ainda cuidados ao sair e chegar de casa, assim como o zelo em observar atitudes suspeitas de cidadãos desconhecidos, carros que circulam pelas redondezas, com placas de outros municípios ou não, e a primeira ação à ser tomada nestes casos é entrar em contato imediato com a Polícia Militar que prontamente irá se deslocar ao local e averiguar a situação do cidadão e ou veículo, se os mesmos estiverem em ordem, serão dispensados. “Cidadão de bem não tem medo da polícia”, enfatizam os moradores que estão aflitos com os fatos e que destacam: todos já estão conscientes de que ações e atitudes que gerem o mínimo de suspeitas levarão ao contato com as autoridades.

Alguns conselhos para evitar assaltos a residências:

– Acostume-se a trancar sempre portas e portões de acesso de sua casa. Não os deixe abertos inutilmente, ainda que por poucos momentos. Os delinquentes valem-se de nossos descuidos;

– Procure proteger as janelas e basculantes com grades sólidas, preferencialmente instaladas no lado interno;

– Proteja a porta da cozinha. Isole aquela dependência durante o repouso noturno trancando as portas intermediárias. Aja da mesma maneira quando se ausentar. Os arrombamentos são mais frequentes através dos acessos dos fundos da casa;

– Procure manter isolado o acesso do sótão da casa, localizando-o de preferência no banheiro ou em outra dependência que possa ficar trancada por fora no período noturno ou durante sua ausência;

– Esteja alerta à presença de suspeitos nas imediações de sua casa, nos momentos de sua chegada ou na hora de sua saída. Os roubos a residências têm grande incidência nos horários das 07 às 09 horas ou das 18 às 20 horas;

– Não admita o ingresso de estranhos em sua casa. As credenciais de carteiro, leitores de hidrômetro, entregadores de gás, funcionários das companhias de telefone e de energia elétrica, etc., devem ser devidamente examinadas e, em caso de dúvida, devem ser confirmadas por telefone. Sempre que possível alerte os outros familiares, ou o vizinho mais próximo, quando franquear a entrada de um deles em seu lar;

– Use cães adestrados no lado externo da casa. Cachorros de estimação e/ou de pequeno porte devem ficar dentro de casa, principalmente na área dos fundos, onde poderão dar alarme no caso de tentativa de arrombamento;

– Não confie armas de fogo a vigias inexperientes e que não tenham comprovado estarem aptos a seu manejo correto e eficiente. Os guardas desavisados e simplórios são presas fáceis dos delinquentes que, no primeiro ato, se apossam de suas armas;

– Mantenha sempre à mão os telefones de emergência da Polícia. Conheça a localização da Delegacia de Polícia de seu bairro. Instrua seus familiares e serviçais de como proceder em caso de perigo iminente ou de simples observação de suspeitos nas imediações;

– Procure manter a entrada de sua casa livre de obstáculos que impeçam sua ampla visão do interior do imóvel. Evite obras de arte, decorações de jardim, etc., que dificultem sua própria observação e também a de seus vizinhos, das áreas de acesso;

– Se por ventura instalar alarmes sonoros e/ou luminosos, deverá testá-los periodicamente para sua melhor segurança e também para que seus vizinhos, devidamente avisados, reconheçam-nos com facilidade e possam ajudar em caso de perigo;

– Use todos os expedientes para dificultar a ação de delinquentes, desde a simples colocação de trincos e travas de segurança nas portas e janelas, até trancas, correntes e cadeados nos pontos mais vulneráveis;

– Procure conhecer seus vizinhos e combinar com eles medidas de auxílio mútuo. A solidariedade é importante nos momentos de perigo;

– Se, nada obstante, você vier a se defrontar com delinquentes, antes de tudo procure manter-se calmo. Não tente dialogar ou discutir com eles. Não os encare diretamente mas procure memorizar suas características pessoais, trajes, etc. Sobretudo não reaja, sua vida não tem preço.

Alexandre Müller

Alexandre Müller

Repórter | E-mail para contato: alexandre@gazetainformativa.com.br
Alexandre Müller
Compartilhe esta reportagem...Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Print this page


Comentários: