Dívida do pagamento em torno das multas e royalties chega a R$ 1 bilhão. (Foto: Rogério Reis/Agência Petrobras)

Dívida relativa à produção da SIX, no Paraná, que se aproxima de R$ 1 bilhão, está sendo questionada pela petroleira. A agência reguladora garante que a solução terá de passar pelo crivo dos afetados, que são o governo do estado e a prefeitura de São Mateus do Sul, assim como a população em geral.

A população do Paraná, e em particular os moradores de São Mateus do Sul, será ouvida sobre a disputa em torno do pagamento de multas e royalties devidos pela Unidade de Industrialização do Xisto (SIX), da Petrobrás, cuja dívida chega a R$ 1 bilhão.

Em documento enviado pela Federação Única dos Petroleiros (FUP) à Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e à petroleira cobrando explicações sobre a solução da pendência, que já dura quase uma década, tanto o órgão fiscalizador quanto a Petrobrás afirmaram que em breve serão realizadas consultas e audiências públicas com os cidadãos e as cidadãs sobre o caso.

A disputa em torno dos royalties devidos pela SIX se acirrou a partir de 2013, quando a ANP instaurou um processo administrativo que resultou em multa para a Petrobrás por não pagar royalties sobre a extração de xisto na região de São Mateus do Sul entre 2002 e 2012. A agência cobrou alíquota de 10% de royalties, e a estatal vem tentando reduzir à metade esse valor.

“É de extrema relevância essa informação que recebemos da ANP e da Petrobrás, de que a população de São Mateus do Sul e também do estado do Paraná será ouvida sobre a destinação desses recursos do passivo e multas em relação aos royalties do xisto. É uma questão que não pode ser tratada simplesmente como ‘uma oportunidade de negócio’, como a Petrobrás vem fazendo com a sua política de desinvestimento e entrega de ativos, sem se preocupar com os impactos sociais que estas medidas vão impor à população”, afirma o diretor de Assuntos Jurídicos, Institucionais e Terceirizados da FUP e do Sindipetro PR/SC, Mário Dal Zot.

Dal Zot, que também é presidente da Associação Nacional dos Petroleiros Acionistas Minoritários da Petrobras (Anapetro), frisa que os recursos devidos pela petroleira são muito importantes para os cidadãos paranaenses. Por isso, a questão não pode ser discutida a portas fechadas entre a Petrobrás e o órgão regulador, sem levar em conta os impactos da produção de xisto sobre a população de São Mateus do Sul e as necessidades locais e regionais.

Com informações FUP

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Confira a programação das celebrações que acontecerão no Dia de Finados em São Mateus do Sul
Implantação de gasoduto em São Mateus do Sul será discutida em audiência pública
Obras de pavimentação da Rua Antônio Bizinelli avançam nos últimos dias