Caio André Câmara da Silva embarca dia 25 de setembro e trabalhará em programa dedicado à atendimento com crianças autistas. (Fotos: Cláudia Burdzinski/Gazeta Informativa)

Quando conversamos com Caio André Câmara da Silva, de 18 anos, o sentimento de alegria está nítido em seu sorriso. O motivo de tanta felicidade? Ele foi aprovado no projeto DiscoverEU, e trabalhará voluntariamente com crianças autistas na instituição Camphill School Aberdeen em uma comunidade na Escócia, no extremo norte do Reino Unido. “Chega à ser difícil explicar a tamanha felicidade que estou sentindo!”, garante Caio. Todas as suas despesas serão custeadas pela instituição, como estadia, alimentação e locomoção dentro do país.

Cidade de Aberdeen, na Escócia. (Imagem: Istock/Skarau)

O jovem foi aprovado no projeto dia 6 de junho e embarcará em viagem no dia 25 de setembro. Em sua primeira experiência fora do país, Caio explica que nos primeiros dias na União Europeia ele estará realizando uma viagem pelos países pertencentes ao bloco econômico, iniciando pela Espanha, país de seus descendentes. “Já estou com a rota preparada! Sou da quarta geração espanhola da minha família e vai ser incrível conhecer de perto nosso país de origem”, expressa. Caio desembarcará na Escócia no dia 25 de outubro e fará um treinamento de três dias até iniciar sua atuação no projeto voluntário.

Caio não sabe o nome de seus outros companheiros do voluntariado e essa curiosidade o anima ainda mais para conhecer outras realidades. “Pessoas de diversos países do mundo se inscrevem para o projeto. Ficarei feliz em compartilhar essa experiência cultural com eles”. O são-mateuense explica que o trabalho realizado no Camphill School Aberdeen será de um ano e é equivalente ao trabalho feito na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) aqui no Brasil.

Autodidata

Filho de Valéria Câmara da Silva e Gilberto Alvino da Silva Filho, Caio sempre foi incentivado dentro de casa para conhecer atividades novas e aperfeiçoar suas habilidades. “Minha mãe é professora de inglês e eu lembro que pegava escondido os cadernos dela para aprender sozinho a língua estrangeira”, recorda. A vontade pelo aprendizado foi o que motivou Caio a se tornar fluente em inglês, um dos motivos que colaborou para sua aprovação dentro do projeto. Além disso, o jovem realizou um curso de contação de histórias em São Mateus do Sul, que se tornou um diferencial em seu currículo de aprovação.

Se não fosse Pomerode…

Você deve estar se perguntando, como Caio conheceu um projeto tão incrível como esse? Alguns amigos da família tiveram uma colaboração fundamental para apresentar a ideia à ele. Em maio de 2019, o jovem e sua família foram convidados para a inauguração de um hotel dos amigos na cidade de Pomerode, Santa Catarina. “Houveram alguns imprevistos durante a viagem, e pensamos em desistir. Mas havia algo mais forte, e continuamos o caminho”, diz. No local, Caio acabou conhecendo uma jovem que havia participado da atividade voluntária. “Quando ela explicava sobre o projeto, os seus olhos brilhavam! Isso me motivou para conhecer ainda mais sobre o trabalho desenvolvido.”

Caio passou por uma espécie de prova para aprovação dentro do projeto, e está se preparando com conteúdos e métodos de ensinamento para trabalhar com as crianças. “Quando você tem um sonho, você deve assumir riscos e responsabilidades para alcançá-lo. Saia da sua zona de conforto, explore, mas também planeje. Não tenha medo do desconhecido”, aconselha.

CHARGE

Cláudia Burdzinski

Cláudia Burdzinski

Estudante de Jornalismo que adora escrever e conhecer um pouco sobre a vida e a história de cada pessoa envolvida. Preza pela essência que é repassada na produção de cada matéria, valoriza os pequenos gestos e apoia o ativismo ambiental. E-mail para contato: claudia@gazetainformativa.com.br
Cláudia Burdzinski

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
O ferro-velho cinquentenário do ferreiro aposentado
275 picadinhas de amor
Estamos todos com você Mary

Deixe seu comentário

*