Especial

São-mateuense monta tradicional presépio há 60 anos

Dona Iza é responsável por pintar toda a serragem e separar os lugares para todas as peças do presépio. (Fotos: Cláudia Burdzinski/Gazeta Informativa)

A casa de madeira, localizada na esquina da Rua João Gabriel Martins, próximo ao Colégio Duque de Caxias, no Centro de São Mateus do Sul, abriga em sua varanda anualmente o tradicional presépio natalino, com a representação do nascimento do menino Jesus. A responsável por toda a decoração é Maria Luiza Franco Silvestre, de 82 anos, que traz consigo essa tradição há 60 anos. “Para mim, o mais importante é mostrar e contar para as crianças a história do nascimento de Jesus Cristo”, garante.

Dona Iza, como é popularmente conhecida, comenta que essa paixão pela montagem do presépio começou quando ela ainda morava na comunidade do Potinga, interior de São Mateus do Sul. Ela iniciou apenas com as peças que representavam Maria, José e o menino Jesus. Com o passar dos anos, ela ganhou de sua filha Mariza as peças que compõe atualmente todo o cenário. Com a mudança para a cidade, seu pequeno presépio também fez parte da bagagem.

Os detalhes são pensados especialmente para chamar a atenção das pessoas que passam pela rua e observam a varanda. Dona Iza tem o cuidado de montar tudo com muito carinho: o lago feito de espelho abriga patinhos de borracha, e as serragens, que representam o gramado e a terra, são tingidas especialmente por ela. “Algumas pessoas montam o presépio e colocam o menino Jesus só depois do dia do Natal, mas eu faço questão de deixá-lo aqui desde o primeiro dia, pois as crianças me perguntam do porquê que Ele está junto dos animais e eu explico como tudo aconteceu”, diz. A são-mateuense acredita que dessa forma, vai conscientizar as crianças desde cedo a seguirem o caminho da fé.

Mãe de 7 filhos, Iza também possui 15 netos e 15 bisnetos, que cresceram observando todo o seu carinho com as peças, que logo após as festividades de fim de ano, são embrulhadas e guardadas com cautela para serem expostas novamente. “Se esquecermos de montar o presépio no fim do ano, deixamos de ensinar os mais novos a entenderem o verdadeiro sentido do Natal. Não é só o Papai Noel, mas sim a Sagrada Família”, afirma.

De acordo com a neta Tatiely Renata Silvestre Gawlik, construir presépios é uma tradição para toda a família, passada de geração em geração. “Nós netos sempre nos encantamos com os presépios da vó Iza. Muitos de nós quando criança, participava da construção. Agora também se encantam os bisnetos”, diz.

Sua filha, Izadora, bisneta da Dona Iza, desde pequenina admirava as montagens e detalhes do presépio. “Quando ela tinha quatro anos, ganhou de presente da bisa o presépio mais antigo da família. As peças tem quase 50 anos, e todos os anos é montado em nossa casa”, relembra a neta.

Na imagem, Tatiely, Izadora, Dona Iza e o pequeno Otávio, juntos do presépio mais antigo da família.

CHARGE:

Estudante de Jornalismo que adora escrever e conhecer um pouco sobre a vida e a história de cada pessoa envolvida. Preza pela essência que é repassada na produção de cada matéria, valoriza os pequenos gestos e apoia o ativismo ambiental. E-mail para contato: claudia@gazetainformativa.com.br

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
São-mateuenses enfrentam mais de 1,8 mil metros de altitude
A irmandade em dose tripla
275 picadinhas de amor

Os comentários estão fechados