Especial

São-mateuenses enfrentam mais de 1,8 mil metros de altitude

Da esquerda para direita: Cassiano Santos, Felipe Chico, Paulo Ricardo Ribeiro da Luz, Lucas Pizzetti, Leonardo Ribeiro, Gabriel Portes Ribeiro e Eduardo Ribeiro. (Fotos: Arquivo Pessoal)

Sete são-mateuenses, um ponto de encontro e um feriadão para aproveitar cada segundo do nascer ao pôr do sol. Esses foram os planos de Gabriel Portes Ribeiro, Eduardo Ribeiro, Leonardo Ribeiro, Paulo Ricardo Ribeiro da Luz, Lucas Pizzetti, Cassiano Santos e Felipe Chico, que se aventuraram até o Pico Paraná no último feriado.

Sendo a maior montanha do Brasil Meridional, o Pico Paraná é bastante conhecido no sul brasileiro por sua extensão: 1.877,32 metros de altitude. Sendo frequentada por centenas de pessoas, o Pico Paraná está localizado na porção central da Serra Ibitiraquire, na região de Campina Grande do Sul, e seu cume (ponto mais alto), possui uma visão privilegiada da serra do mar, do litoral paranaense e parte da capital Curitiba.

Os são-mateuenses enfrentaram a trilha no feriado da última semana. Na imagem, a vista do Pico Paraná.

“Eu e meu irmão decidimos realizar esse trajeto no domingo passado (22/04), e fomos convidando as pessoas que tinham vontade de encarar o trajeto com a gente”, explica Gabriel. Com o passar dos dias, os são-mateuenses foram montando o grupo de viagem, e começaram a planejar o trajeto da trilha do feriado.

Saindo de São Mateus do Sul na madrugada de segunda-feira (30/04), o grupo chegou por volta das 6h30 da manhã até o início da trilha. “Quando chegamos ficamos impressionados, pois fomos recepcionados por uma belíssima lua cheia”, conta Gabriel.

Tendo como ponto de partida o acampamento base, eles prepararam todo material e começaram o trajeto até o cume do Pico Paraná. Levando aproximadamente 5 horas de subida, as primeiras horas do trajeto foram bastante difíceis por conta da adaptação do local. “Algumas pessoas do nosso grupo já possuíam experiência com montanhas, mas o trajeto até o Pico Paraná foi à primeira vez realizada por todos nós. Cada um teve uma dificuldade e conquista diferente, e isso nos fez valorizar muitos aspectos da nossa vida. Foi gratificante!”, manifesta Gabriel.

Durante o percurso, os trilheiros encontraram pessoas e histórias diferentes. Isso fez com que eles se sentissem acolhidos no decorrer do trajeto. “Um ajudou o outro”, afirmam.

Acampando em um lugar estratégico, os são-mateuenses tiveram vista privilegiada do pôr do sol e nascer da lua, e que ficou marcado na viagem e na história de cada um deles. “Foi um verdadeiro desafio pessoal para cada um de nós”, afirma Gabriel.

Possuindo coragem para enfrentar os próprios desafios, o grupo voltou para casa com energias renovadas e incentivando o preparo de mais pessoas para aventuras como esta. “O lugar encanta quem conhece. Embora o cansaço, reconhecemos a grandiosidade de um lugar tão insano. Tivemos o privilégio de conhecer um dos Picos mais lindos do Brasil”, destaca Paulo Ricardo.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Bisteca e a corrente de solidariedade
O nascimento das gêmeas Lara e Lívia
Save Ralph: curta-metragem faz crítica a testes em animais na indústria da beleza