(Fotos: Éber Deina/Gazeta Informativa)

O dia 21 de setembro é uma data bastante especial para todo são-mateuense. Mesmo para aqueles que já deixaram a cidade banhada serenamente pelas águas do Rio Iguaçu, o encanto do retorno à terra natal e as memórias trazidas no coração se sobressaem. O ano de 2020 é bastante atípico, principalmente no que tange às comemorações. Nos resta zelar pela vida daqueles que ainda desfrutam da existência em uma cidade tão acolhedora, carinhosa e batalhadora.

No dia 21 de setembro de 1908, data de fundação da capital do xisto e da erva-mate, foram iniciados os rumos mais contemporâneos, de uma comunidade que se estabeleceu partindo da multiplicidade étnica que compõe o Brasil. O caldeamento dos povos nos brindou com a fusão de um Brasil caboclo ao Brasil que passou a ser também dos poloneses, cultura que estabeleceu suas raízes com muita luta e carinho na amada terra são-mateuense.

Os canteiros floridos da Avenida Ozy Mendonça de Lima, são um dos principais atributos cênicos da região central da cidade.

A capital do xisto e da erva-mate ainda conta com algumas residências estabelecidas no formato antigo, remetendo aos antepassados das diversas famílias residentes na cidade.

Povos milenares

Assim como em todo o Brasil, nossas origens primárias remetem aos diversos entroncamentos indígenas que se espalharam no Brasil com certa liberdade, até 1500. Resgatamos no dia 21, também a sua memória, pois há milhares de anos atrás eles foram os primeiros a circular pelas matas virgens e rios límpidos e férteis, no lugar que seria chamado um dia, São Mateus do Sul.

Tradição polonesa e navegação

O estabelecimento dos imigrantes poloneses na região, foi uma das bases estruturais que fomentou a aguerrida sociedade são-mateuense desde seus primeiros anos de existência. A força do sangue polonês ainda permanece viva em muitas famílias da cidade. Destacamos também, o caráter múltiplo da sociedade brasileira. São Mateus do Sul completa 112 anos, com uma sociedade bastante diversificada e repleta de etnias importantes!

A natureza são-mateuense é dotada de muita beleza cênica, cabendo à sociedade ao longo de 112 anos de história, seu uso racional e preservação.

As águas majestosas do Rio Iguaçu, foram o cerne de formação de nosso município, carregando vidas, amores e sonhos, além de fomentar e desenvolver as bases da economia local.

Os ruídos da navegação parecem ecoar serenamente pelas águas do Rio Iguaçu. Tal ciclo econômico foi o evento determinante na formação e concretização de nossa cidade. Os vapores que outrora circulavam pelo rio, carregaram por muito tempo a economia, os sonhos e as pessoas que aportavam em nossa região. O resgate histórico a esses atributos é essencial na preservação do patrimônio de nossa cidade!

Pensando nas gerações futuras

A superação de desafios sempre foi um estigma positivo da sociedade são-mateuense. Desde a descoberta e exploração do xisto ao estabelecimento dos imigrantes poloneses, bem como ao duradouro e vital ciclo da navegação, aqui empreendido, nossa comunidade sempre se demonstrou batalhadora e solícita ao próximo. Nesses 112 anos de história, saudamos toda a longevidade à “Rainha bela do Iguaçu tão majestosa”. Que suas belezas naturais se conservem e sua sociedade se desenvolva cada vez mais, é o desejo de toda a redação da Gazeta Informativa!

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Sortudo de São Mateus do Sul ganha viagem para Copa do Mundo
O progresso na vida espiritual: entenda e conheça o espiritismo
O jornal é uma excelente opção para enaltecer seu negócio