(Fotos: Divulgação)

São Mateus do Sul tem sido berço de várias modalidades esportivas e culturais, mas um que tem se destacado bastante é a dança, que há algum tempo colhe bons resultados. Alunas do Estúdio de Dança A2 Corpo e Movimento têm participado de diversos festivais e alcançado ótimas colocações.

Apesar da pandemia, os festivais de danças continuam ocorrendo. Os mais tradicionais procuraram manter-se em atividade e estão ocorrendo via apresentações de vídeos. As coreografias são apresentadas por meio de gravações das apresentações e, assim, continuam ocorrendo diversas competições.

As alunas do estúdio estão sob responsabilidade das professoras Marina Siben, Rafaelli Volochen e do professor Marlon Sampaio. Eles, junto de suas alunas, têm uma rotina intensa de trabalhos até chegar ao ponto de estarem aptos a participarem dos festivais. Cada coreografia desenvolvida leva, em média, três meses de treino para estar em condições de participar de uma competição, além do tempo necessário para desenvolver e planejar os passos e o figurino, trabalho feito pelo professor responsável.

Os festivais, em sua grande maioria, são organizados pelas tradicionais escolas de dança e são reconhecidos nacionalmente pela exigência e organização, recebendo candidatos do Brasil todo e, até mesmo, do exterior. Para que a pandemia não interrompesse todos os trabalhos e circuitos que levaram tempo para se firmarem nos calendários de festivais, a melhor saída foi transformar a competição de presencial para online, com participação por meio de vídeos.

Ana Júlia Doebber, 4° lugar estilo livre juvenil Festival UBRA. (Coreógrafa Rafaelli Volochen)

Iasmin Vanely, 3° Lugar Estilo Livre Infantil. Festival UBRA. (Coreógrafa Marina Siben)

Isabele Caetano, 4° Lugar Estilo Livre Juvenil Festival Bravos. (Coreógrafa Marina Siben)

Bailarina Maria Fernanda Ercole, 2° Lugar Jazz Juvenil Festival Bravos. (Coreógrafa Marina Siben)

Maria Luiza Lang, 2° Lugar Jazz Infantil Festival Bravos. (Coreógrafa Marina Siben)

Maria Vitória da Cruz, 4° lugar solo estilo livre infantil Festival Bravos. (Coreógrafa Marina Siben)

Marjorie Rulka, 8° lugar estilo livre infantil UBRA. (Coreógrafa Marina Siben)

Rafaela Trzaskos, 2° lugar danças urbanas infantil Festival UBRA. (Coreógrafo Marlon Sampaio)

Sara Vieira, 1° Lugar Jazz Infantil Festival UBRA. (Coreógrafa Marina Siben)

Raissa Kotrich e Isabele Caetano, 3° Lugar Duo Estilo Livre Juvenil Festival Bravos.
(Coreógrafa Marina Siben)

Bailarinas Sara Vieira e Iasmin Vanely, 1° Lugar Festival Bravos e 2° lugar Festival UBRA, ambos no Estilo Livre Infantil (Coreógrafa Marina Siben)

A evolução das dançarinas é irrefutável quando analisadas as suas suas conquistas: em 2019 foram 4 títulos, em 2020 foram 7 e em 2021, nestes primeiros meses, já alcançaram os primeiros lugares por 9 vezes, demonstrando todo o potencial das alunas e seus professores. São resultados realmente expressivos e contam também com diversas outras colocações que enchem de orgulho e levam o nome de São Mateus do Sul Brasil afora. Em agosto, elas participam de mais três festivais e, assim, dá pra imaginar o nível de esforço e comprometimento que nossas dançarinas têm, juntamente com seus professores.

Apesar de acontecerem por vídeos enviados, ainda existem muitos custos para a participação nas competições, pois os prêmios em dinheiro, na grande maioria, é simbólico, chegando às vezes a R$ 300,00 e sendo repartido entre todos. Já os custos de inscrições variam de R$ 30,00 a R$ 80,00 para cada coreografia, além de todo o preparo do vídeo com a filmagem, edição, iluminação, fantasias e figurinos, som e local, visto que a decoração e o ambiente também influenciam na pontuação final. Por enquanto, o apoio recebido tem sido apenas das famílias, do projeto Palco e Projeção e do CEPE, que tem colaborado cedendo o salão social e iluminação para as apresentações e gravações dos vídeos.

Os professores Marina, Marlon e Rafaelli têm alunos a partir dos 7 anos de idade, mas os que participam estão entre 10 e 16 anos, e eles têm conseguido conquistar cada vez mais alunos, além do respeito dos pais, que apostam nesse belo trabalho que possibilita não apenas chegar a um nível de competição, mas que também traz belos resultados em comportamento, concentração, condicionamento físico, disciplina, expressão corporal e melhoras expressivas no rendimento escolar.

As coreografias são livres, sem temas específicos, mas separadas por idade e em três estilos: jazz, dança urbana e estilo livre. As competidoras de nossa cidade têm se apresentado sozinhas, com solos, mas algumas devem começar a participar também com apresentações em duetos. Existe muita expectativa para a chegada de duas competições em dezembro deste ano, que serão as primeiras presenciais e acontecerão em Canoinhas e Joaçaba, ambas cidades de Santa Catarina.

Esse é um grande talento que nossa cidade tem. Através da cultura da dança, levam o nome de nossa cidade e de empresas, além de ampliarem o mundo da dança e alcançarem mais crianças e adolescentes, mostrando muitos benefícios, sejam individuais, para as famílias e, até mesmo, para a cidade como um todo. É mais um potencial existente em nossa cidade que não se deve perder e sim ser ampliado, ofertando para mais alunos e criando um verdadeiro berço da dança, além de oferecer cursos para mais professores e profissionais de palco.

Serviço:

Informações e Apoio
Professora Marina Siben: (41) 99965 3008

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Retorno às aulas remotas está prevista para o dia 18 de fevereiro
Aulas e apoio em Libras referenciam a inclusão em São Mateus do Sul
Família vai até a escola na segunda fase do projeto “Minuto da Sabedoria”