Jornal de São Mateus do Sul (PR) e região

São Mateus do Sul sedia encontro de produtores orgânicos da região

Encontro organizado por agricultores do Núcleo Maria Rosa da Anunciação aconteceu pela primeira vez em São Mateus do Sul. (Fotos: Alexandre Müller/Gazeta Informativa)

Na sexta-feira (3), na sede da Câmara Municipal de Vereadores de São Mateus do Sul, foi sediado pela primeira vez no município o Encontro do Núcleo Maria Rosa da Anunciação, da Rede Ecovida de Certificação Orgânica.

O núcleo compreende mais de 20 municípios, onde são realizados os trabalhos de certificação orgânica com vários grupos de agricultores. O núcleo atua desde o município da Lapa, Campo Largo, Contenda, Campo Magro, Ponta Grossa, Castro, Imbaú, Tibagi, Telêmaco Borba, Ortigueira, Palmeira, São João do Triunfo, Teixeira Soares, São Mateus do Sul, Antonio Olinto, etc.

O evento foi organizado pelos componentes do núcleo e contou com a participação dos representantes dos grupos de agricultores orgânicos de todos os 20 municípios. Cada município possui seus agricultores orgânicos que se organizam em grupos e cada grupo possui seus coordenadores, assim como São Mateus do Sul.

A reunião foi realizada junto aos coordenadores de cada grupo, a chamada Comissão de Ética do Núcleo Maria Rosa, e teve como principal objetivo discutir como estão os trabalhos dentro de cada município, quais os problemas e experiências adquiridos por cada grupo, que expõe todas as demandas em relação à certificação orgânica.

Segundo Nelson Dias da Silva, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de São João do Triunfo e membro da Comissão de Ética do Núcleo Maria Rosa da Anunciação da Rede Ecovida, a certificação orgânica está intimamente ligada aos programas institucionais, principalmente o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE).

“Cada município possui a sua merenda escolar e os agricultores através de suas cooperativas e associações, participam das chamadas públicas que o município faz. São Mateus do Sul tem como exemplo a Cooperativa de Famílias de Agricultores Ecológicos de São Mateus do Sul (Cofaeco), que entrega vários produtos para a merenda municipal”, comenta Nelson.

De acordo com ele, para ser um agricultor orgânico tem de ter a certificação que é fornecida e fiscalizada pelo núcleo e pela Rede Ecovida. “Com a certificação o agricultor agrega a seus produtos, minimamente 30% a mais no valor da comercialização dos produtos pela diferenciação e comprovação.”

A intenção em promover as reuniões itinerantes realizadas a cada 2 meses é esclarecer à comunidade, as autoridades, os órgãos da imprensa regional a importância do produto orgânico e saudável. “O objetivo também é divulgar como eles estão chegando à merenda dos alunos”, garante Nelson.

Dentre os grupos participantes destacam-se aqueles de São Mateus do Sul, compostos por agricultores das comunidades de Estiva, Burrinho, além do representante da Cofaeco, José Lemos Licheski e os grupos de Antonio Olinto que também entregam produtos na merenda escolar de São Mateus do Sul.

Durante a realização do encontro, o Prefeito Municipal Luiz Adyr Gonçalves Pereira, o presidente da Câmara Municipal de Vereadores, Nereu Dal Lago e membros da imprensa local receberam dos produtores presentes uma cesta com produtos orgânicos a fim de fortalecer o elo entre representantes do executivo, legislativo e mantenedores da informação regional.

Rede Ecovida

A Rede Ecovida de Agroecologia é pioneira no desenvolvimento da certificação participativa, metodologia de verificação da conformidade que hoje é também conhecida como Sistema Participativo de Garantia.

Na regulamentação da Lei 10831/03, a Rede Ecovida participou ativamente para que esta metodologia fosse prevista nesta regulamentação. Assim foi feito e hoje, graças a este reconhecimento, milhares de agricultores familiares e comunidades tradicionais podem se valer deste método para certificar seus produtos como orgânicos.

Seu funcionamento é horizontal e descentralizado e está baseado na organização das famílias produtoras em grupos informais, associações ou cooperativas. Estas organizações se articulam com associações ou cooperativas de consumidores, Organizações Não Governamentais (ONG’s) e outras instituições, e formam um Núcleo Regional, circunscrito a determinada área geográfica. Cada Núcleo tem uma coordenação com uma tarefa de animação e gestão. A soma dos diferentes núcleos nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná formam a Rede Ecovida de Agroecologia.

Sua formação oficial data de 1998, como resultado da articulação iniciada anos antes por essas entidades. Atualmente conta com 27 núcleos regionais, abrangendo cerca de 352 municípios. Seu trabalho congrega, aproximadamente, 340 grupos de agricultores, totalizando cerca de 4,5 mil famílias envolvidas e 20 ONG’s.

Compartilhe esta reportagem...Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Print this page


Comentários: