A seca que assola o estado do Paraná refletida nas águas do Rio Iguaçu que corta o município de São Mateus do Sul.
(Éber Deina/Gazeta Informativa)

A água é um dos componentes essenciais para a manutenção da vida no planeta Terra. Ela faz parte de muitos processos biológicos e está intimamente ligada às circunstâncias que tornaram a existência e a evolução das espécies possíveis. Além disso, a água é utilizada pelos seres humanos no atendimento de suas necessidades mais básicas, desde o cultivo de alimentos e a criação de animais, até os processos de higiene e hidratação.

Segundo Reinaldo Kneib, meteorologista do Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar), o outono no estado é caracterizado pela grande variabilidade das chuvas, que em sua maioria decorrem da passagem de frentes frias. “A previsão indica que ao longo do próximo trimestre devem ocorrer os chamados ‘veranicos’, que são períodos superiores a dez dias consecutivos sem chuvas”, comenta ele. Esse cenário não deve favorecer a recuperação da umidade perdida devido à estiagem que assola o Paraná nos últimos 45 dias.

De acordo com o boletim climático para o outono de 2020, divulgado recentemente pelo Simepar (23/03), a agricultura deverá sofrer com as condições climáticas no estado. A irregularidade e a restrição de chuvas devem prejudicar principalmente a safrinha do milho e a safra do trigo.

Os impactos da seca no município

Valdo Marques, professor titular do Laboratório de Meteorologia da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF), explica as características que determinam a intensidade das chuvas. “Os parâmetros de intensidade são os seguintes: para volumes de 1,1 mm a 5 mm, a chuva é considerada fraca. De 5,1 mm a 25 mm é considerada moderada. De 25,1 mm a 50 mm é forte e a partir de 50 mm, muito forte”, salienta ele.

Através de consulta de dados de pluviosidade da Estação Automática do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), localizada em São Mateus do Sul, do mês de janeiro até o início de abril, foi registrado apenas um dia de chuva moderada (13.4 mm no dia 09/01/2020). A maioria dos dias transcorreu sem nenhuma precipitação e nos dias que isso aconteceu, foi em quantidade não superior aos 5 mm.

O nível do Rio Iguaçu no município são-mateuense é bastante baixo, conforme os dados disponibilizados pela Copel em seu monitoramento hidrológico permitem auferir. O posto hidrométrico localizado à margem do rio apontou às 17h, desta quinta-feira (2), que o nível é de 0,165 m, com vazão de 23,4 m³/s.

O Rio Taquaral e o abastecimento

A captação de água para abastecimento do município de São Mateus do Sul acontece no Rio Taquaral, um dos afluentes do Iguaçu na cidade. De acordo com Bolivar Luiz Menoncin Júnior, gerente regional da Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar), essa captação conta com uma barragem de nível que continua vertendo água. “A vazão do rio está reduzida, mas estamos produzindo o suficiente para o abastecimento. A preocupação é para um futuro próximo, caso não chova”, destaca ele.

Além disso, a Sanepar orienta para que a população consuma a água de maneira consciente. A estiagem está provocando falta de água em algumas regiões e a companhia tem adotado medidas de reforço ao abastecimento. Nesse momento, a prioridade é a alimentação e a higiene. Cabe a todos os cidadãos a utilização racional desse recurso tão importante na manutenção da vida e do cotidiano.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Projeto “Adote uma Garrafinha” é aplicado no comércio são-mateuense
Reflorestamento que corresponde mais de 900 campos de futebol comemora 40 anos em São Mateus do Sul
IAP aplica mais de R$ 120 mil em multas por desmatamento em São Mateus do Sul