Máquina do Tempo

São Mateus do Sul também é Negro (a)

Em 1827, Debret representou um trabalhador negro nas obras da Igreja do Rosário em Curitiba, imagem que desconstrói o mito de um Paraná exclusiva.

No dia 13 de maio de 1888 a princesa Isabel assinou a Lei Áurea, que abolia a escravidão no Brasil. Por esse motivo, trago, na coluna dessa semana, esse tema. Há um mito histórico envolvendo a formação da sociedade paranaense. A do embranquecimento europeu. Sabemos que nosso estado foi colonizado por portugueses, espanhóis, ucranianos, poloneses, japoneses, alemães etc, contudo, não podemos esquecer da presença negra. Que além de contribuir com a mão de obra, também trouxe consigo sua cultura, língua, costumes, religiosidade entre tantas contribuições. Por conseguinte, o mito se estende à medida que ouvimos, que por aqui, em território paranaense, não houve escravidão, o que não é verdade. Na época da escravidão, os negros trazidos para o Paraná geralmente exerciam a função de escravos domésticos- cozinheiras, capatazes, domadores de cavalo e caseiros. Durante o ciclo tropeirista, muitos deles, também exerciam tal atividade para seus senhores. Além disso, a mão de obra negra e escrava também foi utilizada nos engenhos de erva-mate.

Segundo a pesquisa do colega e historiador Rodrigo Castro, “naquele tempo a riqueza de um homem era avaliada pelo número de escravos e pela quantidade de terra que ele possuía”, através dela, temos o nome de alguns ex-proprietários de escravos, das primeiras famílias que aqui chegaram em São Mateus do Sul, como José Bueno de Camargo, Gabriel Vieira de Alvarenga, e Salvador Fernandes de Chaves. Ainda, segundo Rodrigo “(…) a maioria da população que originalmente se instalou em São Mateus se compunha de “homens livres”, que dada sua pobreza eram apenas lavradores que não possuíam terras e muito menos ainda escravos. Muitos aliás, eram escravos alforriados que se tornaram mão de obra fácil e barata para o extrativismo da erva-mate, na qualidade de agregados em uma situação que em nada diferia da sua antiga condição”.

Um fato interessante também constatado por Rodrigo através da consulta em certidões de batismo e casamento, é que dois povoadores aqui de São Mateus, Francisco de Paula Farias, morador do Rio das Pedras e Rosas, e Antônio José de Lima Pacheco, morador do Emboque, foram casados com filhas de uma escrava da Fazenda Pugas de Palmeira. Clara Magdalena dos Santos e Manuel Elias de Araújo, eram proprietários da escrava Flora Maria dos Santos, mãe de Senhorinha Maria de Araújo, casada com Antônio, e Escolástica Francisca de França, “amasiada”, como diziam naquela época, pois estava no segundo casamento, com Francisco. Ou seja, o povoamento de São Mateus do Sul também possui descendência negra e escrava, motivo de orgulho para a história do município. Contudo, em pelo século XXI, infelizmente, persiste o preconceito racial pelo mundo inteiro, e é nesse momento que o historiador tem um papel importante, o do resgate histórico a fim de desconstruir discursos prontos, como o mito citado acima. Resgatar a história amigos leitores, é acima de tudo, um ato de empatia! Viva a diversidade, viva a história! Até a próxima viagem!

Certidão de batismo de Escolástica Francisca de França.

Certidão de batismo de Senhorinha Maria de Araújo.

Jéssica Kotrik Reis Franco
Últimos posts por Jéssica Kotrik Reis Franco (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Carta de despedida aos leitores
Monte Castelo
A participação de São Mateus do Sul na Guerra do Contestado (1912-1916) – Parte II