Sessão da Câmara que reuniu os servidores municipais. (Foto: Assessoria Câmara de Vereadores)

Dezenas de servidores da Prefeitura Municipal de São Mateus do Sul participaram da 9ª sessão ordinária da Câmara Municipal de Vereadores, que aconteceu na segunda-feira (8). O motivo da mobilização dos servidores foi o projeto de lei n° 012/2019, que tratava sobre a fixação de vencimento dos servidores efetivos da Prefeitura.

Segundo a Câmara Municipal, a matéria previa a redução em 50% do vencimento base do servidor efetivo, inclusive os atuais, e criava uma verba denominada complemento constitucional. “A matéria foi encaminhada no dia 5 de abril para a Câmara Municipal, porém os servidores juntamente com o Sindicato foram até a Câmara para discutir com os vereadores e a procuradoria jurídica sobre o projeto”, informam.

Através de mobilizações pelas redes sociais e reuniões entre os membros do Sindicato dos Trabalhadores Municipais de São Mateus do Sul (SindiServidores) sobre o projeto de lei, o comparecimento dos servidores na sessão da Câmara reforçou o comprometimento de toda equipe em busca de seus direitos. De acordo com Rafael Camargo, presidente do SindiServidores, após a leitura de todo o projeto, o grupo percebeu o quanto a nova lei prejudicaria a classe trabalhadora. “Verificamos com o advogado do Sindicato questões jurídicas de inconstitucionalidade do projeto de lei. Entramos em contato com os servidores para alertar do que estava acontecendo e chamá-los para defender nossos direitos, pois o salário é irredutível”, expressa o presidente. O projeto de lei foi retirado pelo prefeito em exercício José Stuski, após a comprovação que a lei seria inconstitucional. O Presidente da Câmara, Nereu Dal Lago, retirou a matéria de pauta. Segundo Nereu, o projeto posteriormente será reencaminhado para os novos concursados sem ferir o direito adquirido dos atuais servidores.

O SindiServidores tem como objetivo manter e zelar por todos os direitos dos servidores públicos de São Mateus do Sul. “Sabemos do nossos deveres e sempre orientamos para que todos os servidores trabalhem com o respeito aos princípios da administração pública”, destaca Rafael. Instigado sobre a comparação do salário dos servidores públicos do município em relação a outras cidades com a mesma média de habitantes e arrecadação – com cargos em que o município de São Mateus do Sul paga duas vezes mais –, Camargo aponta que o salário dos servidores municipais são valores justos. “Não temos culpa se outros municípios pagam baixos salários para seus servidores. Antes do Plano de Cargos e Salários – Lei nº 2601/15 –, o executivo do município pagava gratificações para melhorar o salário dos servidores. Com o plano criado, as gratificações foram encerradas, transformado em salário base, valorizando o servidor para melhor desempenhar sua função. Vejo que em outros municípios, talvez salários baixos possam ser compensados com gratificações”, diz.

Camargo acredita que o problema de uma Prefeitura não são os seus servidores. “O executivo precisa parar de ver os servidores como problemas, pois se houver um diálogo franco e com respeito, podemos juntos trabalhar para uma melhor São Mateus do Sul”, diz.

Procuramos a assessoria de comunicação da Prefeitura Municipal e eles não quiseram se manifestar.

Estudante de Jornalismo que adora escrever e conhecer um pouco sobre a vida e a história de cada pessoa envolvida. Preza pela essência que é repassada na produção de cada matéria, valoriza os pequenos gestos e apoia o ativismo ambiental. E-mail para contato: claudia@gazetainformativa.com.br

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Mano Cordeiro recebe título de Vulto Emérito de São Mateus do Sul
Câmara de Vereadores aprova em 1ª votação projeto de lei de atendimento prioritário em estabelecimentos do município
Justiça Eleitoral divulga a rota dos ônibus disponíveis para as Eleições 2018

Deixe seu comentário

*