Reflexão com Padre Marcelo S. de Lara

Sínodo da Família: Ouvindo a Voz de Deus

Está acontecendo em Roma, o Sínodo sobre a Família convocado pelo papa Francisco, de 04 a 25 de outubro. Tendo convocado bispos, cardeais, outros religiosos, intelectuais, recolhido as respostada das Conferência Episcopais sobre questões referente à família, o papa Francisco deseja como Igreja e com toda a Igreja refletir sobre a questão da família para o tempo atual.

A Igreja, sendo canal eficaz de transmissão da Graças de Deus, por meio das pessoas que a governam sempre buscou discernir a voz de Deus em cada tempo e momento da história.

Não é diferente neste período. O próprio papa Francisco ao convocar o Sínodo quer que a Igreja volte os olhos sobre a Família, instituição criada por Deus. E diz, que devemos ter a humildade de deixar Deus falar por nós nos momentos da história. “[…] O Sínodo é uma expressão eclesial, isto é, a Igreja que caminha unida para ler a realidade com os olhos da fé e com o coração de Deus. No Sínodo, o Espírito fala através da língua de todas as pessoas que se deixam guiar pelo Deus que sempre surpreende, pelo Deus que revela aos pequeninos aquilo que esconde aos sábios e aos inteligentes; […]”.

Diante do momento da história, onde a família tradicional é questionada em sua configuração, em seu conceito; onde novas configurações de laços amorosos e de relacionamentos são estruturados e defendidos, a Igreja quer ouvir a voz de Deus, as inspirações do Espírito para poder melhor servir à Deus e ao próximo, em todas as pessoas as quais Deus está, e assim dar respostas e apontar caminhos de realização plena.

Sem querer fazer nenhuma forma de preconceito, ou de julgamento das atitudes das pessoas, a Igreja deseja ouvir o anseio das pessoas e lhes dar respostas inspiradas pela sabedoria divina. Contudo, a Igreja, preocupada em sempre fazer a vontade do Senhor, não quer se deixar levar por “ondas” de pensamentos e comportamentos passageiros, perdendo assim sua identidade de estar à serviço de Jesus e não do mundo, como declara o papa. “[…] o Sínodo só poderá ser um espaço da ação do Espírito Santo se os participantes se revestirem de coragem apostólica, que não se deixa intimidar nem diante das seduções do mundo, que tendem a apagar do coração dos homens a luz da verdade, substituindo-a com pequenas e temporárias luzes; […]”.

Sendo Deus, o autor da vida humana, e do projeto de felicidade do seus filhos e filhas, ouvi-lo com humildade é a atitude mais sensata para aqueles que desejam trilhar caminhos de realização plena como declara Francisco: “[…] todas as nossas palavras serão somente palavras que não saciam nem servem. Sem deixar-se guiar pelo Espírito, todas as nossas decisões serão somente decorações […]”.

Que tenhamos a humildade e a fé clara para vermos nos resultados do Sínodo a voz mais sensata para a nossa caminhada.

Últimos posts por Pe. Marcelo S. de Lara (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Que diferença fazemos?
Ética nas Comunicações
A Minha Paz, não é a do mundo