(Imagem Ilustrativa)

Às vezes queremos tanto alguma coisa que passamos por cima de muitos propósitos, valores e até mesmo de quem estava querendo nos ajudar de alguma forma. Isso acumula e toda a exaustão “contagia” quem está perto… Hoje vamos falar de sentimento!

É incrível como somos capazes de sentir a energia que as pessoas em nossa volta emitem. É tão bom quando estamos perto de alguém que pensa de um forma positiva. E é tão exaustante quando a carga negativa dos problemas é descarregada em cima de você. Não somos criados para trabalhar o nosso próprio sentimento, quem dirá a lidar com o do próximo.

Desde pequenininhos aprendemos a esconder o que sentimos. Se choramos, vem alguém e diz, “engole esse choro!”. Se ficamos felizes demais, vem alguém e diz, “é melhor não demonstrar muito porque podem sentir inveja!”. Se sentimentos medo, é coisa de gente fracassada. Se estamos com raiva, você é um descontrolado. Esses nós de sentimentos vão se misturando cada vez mais até o momento que não entendemos mais nada e descontamos a culpa em tudo a nossa volta.

“Conhecemos” e “aprendemos” a lidar com o básico dos sentimento: alegria, tristeza, medo e raiva, porém, esquecemos que a lista vai muuuuuito além disso. Tudo que fazemos envolve sentimento: concentração, prazer, atenção, vontade, receio, entusiasmo, descrença, paixão ou obrigação. E a consequência do que fazemos também gera outro sentimento: orgulho, vergonha, meritocracia, satisfação, desânimo, entre outros mais. Tudo que sentimos pode ser positivo, basta você aprender a controlar e entender o cenário que fez ele aparecer em sua vida.

Quanto mais reprimimos o que sentimento, mais sufocados ficamos. Antes de lidar com extremos, comece a entender como esse sentimento chegou até você. Não esqueça de uma coisa: às vezes estamos tão cegos ao ponto de atirar para o alto sem nos dar conta que o projétil pode cair em nossa própria cabeça.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Não é à toa que criança rima com esperança
Precisamos falar sobre violência
Por que é tão difícil falar sobre sexualidade?