Especial

Tricotando o Amor ao Próximo na extensão do Hospital Erasto Gaertner em Irati

Voluntárias da Oficina de Artes do Colégio Duque de Caxias no momento de entrega das confecções de tricô realizada na extensão do Hospital Erasto Gaertner, na cidade de Irati. (Fotos: Acervo Pessoal)

A Gazeta Informativa já retratou a história e o aprendizado que as voluntárias da Oficina de Artes do Colégio Duque de Caxias de São Mateus do Sul realizam. O grupo formado por professoras aposentadas e membros da comunidade são-mateuense se reúnem para aprender tricô, bordado e crochê nas aulas irreverentes e cheias de histórias.

Pensando na aprendizagem e também no bem ao próximo, no segundo semestre de 2017, o grupo passou a confeccionar produtos para doações. Desde então, já foram produzidos dezenas de gorros doados para a Rede Feminina de Combate ao Câncer do Hospital Erasto Gaertner em Curitiba, e também para o Lar dos Velhinhos do Rio Azul, onde lá, residem são-mateuenses.

Na quarta-feira (4), as voluntárias realizaram a terceira etapa do projeto “Tricotando o Amor ao Próximo”, onde o local escolhido para esse gesto altruísta foi a extensão do Hospital Erasto Gertner, Unidade de Quimioterapia, na cidade de Irati.

Segundo as artesãs, elas foram recebidas por uma voluntária, que acompanhou a equipe até a presidente da Rede Feminina de Combate ao Câncer de Irati, Ieda Regina Schimalesky Waydzik. “Ficamos muito honrados com a visita do grupo até a nossa extensão do Hospital”, destaca Ieda.

A extensão do Hospital fica localizada na rua Valdomiro de Oliveira Franco, 236, Irati (PR). “Lá eles nos apresentaram um sistema muito organizado e eficiente que conta com a participação de 60 voluntárias. No final, nós da Oficina de Artes participamos de um treinamento dedicado às pessoas que irão palestrar para as comunidades sobre a prevenção do câncer”, comenta Clairê Kovalski, participante do grupo de tricô.

Em seguida, as voluntárias foram até a Associação do Núcleo de Apoio ao Portador de Câncer (ANAPCI), de Irati. Essa Associação existe há 13 anos, e conta com 30 voluntárias. Lá também existe um espaço para abrigar o doente, dar apoio psicológico e proporcionar auxílio alimentício às famílias necessitadas – auxílio este oriundo de doação da comunidade iratiense e do trabalho e dedicação das voluntárias que se revezam nestes atendimentos.

As lãs doadas para a confecção dos gorros foram ofertadas pelas Linhas Círculo S/A, de Gaspar (SC), principal incentivadora da Oficina de Artes do Colégio Duque de Caxias.

“Nós da Oficina de Arte nos sentimos mais uma vez realizadas por fazermos parte desta grande corrente em prol de uma melhor qualidade de vida para as pessoas que doam ou que recebem a doação”, enfatizam as voluntárias.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Primeiro desenho animado totalmente em libras é lançado no YouTube
O sonho que saiu da fotografia: o são-mateuense e seu Maverick 75
Cruzes, águas santas e cemitérios de anjos: lugares sagrados relacionados a São João Maria