(Imagem Ilustrativa)

Alguns dias me deparei com a frase “Tudo o que você pode imaginar é real” de Pablo Picasso. Eu já havia escrito algo parecido, em algumas de minhas histórias, algo como “tudo o que o homem é capaz de sonhar, pode transformar em realidade”. Até abordei, de certa forma este tema aqui nesta coluna.

Alguns homens foram visionários, em suas histórias, em seus filmes, em suas canções, nas suas pinturas e outras formas de expressão. Alguns deles escreveram histórias de ficção científica, um gênero narrativo que une a fantasia a alguma base científica. Nele a criatividade é livre para se criar universos paralelos, avançados, com recursos tecnológicos inovadores. A maioria das histórias também se desenvolvem abordando temas sociais e políticos que podem influenciar os caminhos da humanidade.

Vamos lembrar de alguns desses homens, muito embora existam tantos outros.

Começo por Julio Verne (1828 – 1905), escritor francês, que foi muito além do seu tempo ao prever tecnologias como o submarino, o helicóptero e a ida do homem à Lua. Ele influenciou o nosso Santos Dumont em suas invenções. Foi chamado de “o homem que inventou o futuro”. Algumas de suas obras mais famosas foram “Viagem ao centro da Terra” (1864), “Vinte mil léguas submarinas” (1870) e “A volta ao mundo em 80 dias” (1873). O Capitão Nemo e seu Nautilus são inesquecíveis.

Desde o romance de H.G. Wells (1866 – 1946), a Máquina do tempo, em 1895, escritores e cientistas desenvolveram muitos textos e teorias, tentando desvendar os mistérios do espaço-tempo. Pode até ter influenciado as teorias do gênio Albert Einstein (1879 – 1955). Ele já falava, no Século XIX, sobre meios de comunicação sem fio e guerras com bombas nucleares, bombardeamentos aéreos e mais. Em Guerra dos Mundos (1898), ele fala sobre o laser e, em “A Ilha do Dr. Moreau” (1896), sobre criaturas bizarras criadas por engenharia genética.

Arthur C. Clarke, autor de “2001: Uma Odisseia no Espaço” (1968), fez grandes previsões sobre o futuro. A lista com suas previsões conta com comunicação e troca de informação instantânea (atualmente conhecida como internet), fazer negócios com pessoas de qualquer lugar do mundo e até um dispositivo replicador – como uma impressora 3D.

George Orwel (1903-1950), em sua obra mais famosa, “1984” (publicada em 1949), ele fala sobre câmeras de vigilância (surgindo o termo Big Brother) e vigilância constante, como o que começamos a viver, com câmeras espalhadas por todos os lados e polêmicas sobre reconhecimento facial.

Philip K. Dick (1928-1982) é o responsável pelo livro que inspirou o filme Blade Runner – o caçador de androides, “Androides sonham com ovelhas elétricas?”, de 1968. Na década de 80, ele fez uma lista de previsões para os próximos 30 anos que continha muita coisa que não aconteceu, mas outras delas nós realmente vivemos, como por exemplo, o hidrogênio como fonte de energia, uso comum de computador e outras.

Entre esses visionários, poderíamos incluir alguns cientistas, que com seus estudos comprovaram ou deram base para que algum dia outros confirmem, reformulem ou tracem novas teorias, com base nas desenvolvidas por eles.

Poderíamos incluir entre eles Leonardo da Vinci, Carl Sagan, Nicola Tesla, por exemplo.

Com o fortalecimento do cinema e na linha da descoberta de novos pontos, criadores e diretores de filmes como George Lucas (Guerra nas Estrelas), Gene Roddenberry (Jornada nas Estrelas), Steven Spielberg (E.T. o Extraterrestre e Guerra dos Mundos, dentre tantos) e Irwin Allen (O túnel do tempo, Viagem ao fundo do mar, Perdidos no espaço, Terra de gigantes e A família Robinson), continuam influenciando gerações e construindo o nosso futuro mais próximo.

No passado, muitos foram chamados de loucos, de bruxos. Outros ainda o serão, mas é inegável a contribuição de todos para a história da humanidade. Homens que sonharam, criaram, ajudaram a tornar realidade os seus sonhos e os sonhos de outros.

Então, tudo o que você pode imaginar é real ou vai ser, algum dia.

Adnelson Borges de Campos

Adnelson Borges de Campos

Nascido em São Paulo (SP), são-mateuense de coração, casado com Denise, pai de Lucas, Vinícius e Helena. Administrador, especialista em gestão empresarial pela ESAG/UDESC e especialista em Gestão e Auditoria Ambiental pela FUNIBER. Trabalha na Petrobras desde 1986, onde exerceu, desde 1987, funções gerenciais em mais de nove áreas especializadas. Atualmente é gerente de manutenção da Unidade de Industrialização do Xisto em São Mateus do Sul (PR). Contista desde 2012, com diversos textos publicados em meio impresso e digital. Autor de Histórias que as estrelas contam – um pouco de astronomia para adolescentes. www.adnelsoncampos.com.br - adnelsoncampos@gmail.com.
Adnelson Borges de Campos

Últimos posts por Adnelson Borges de Campos (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Qual o seu diferencial?
Cegueira informacional
As versões da mesma história