O segundo domingo do mês de maio é um dia especial para homenagear todas as mães pela dedicação, carinho e amor que dão aos seus filhos. Muitos celebram com alegria essa data, que para outras pessoas é um estopim para a tristeza. Além do luto, por si só, ser um processo difícil, as datas comemorativas que recordam de alguma forma o ente querido repercutem significativamente na vida de quem era próximo. O dia das mães é uma dessas datas.

É difícil para aqueles que não tem mais a mãe ao lado e também para aquelas que perderam seus filhos. O luto é um processo de assimilação que envolve reações diante de uma morte – literal ou simbólica. É um conjunto de sentimentos e emoções que deve ser respeitado e nunca apressado. A psicóloga Milena Moreira explica que “cada pessoa vive o luto de uma forma diferente e uma mesma pessoa pode experienciar processos de luto diferentes em cada momento da vida”.

Ao se tratar de morte, infelizmente, o desconforto vem presente. Certamente, não gostamos de perder pessoas importantes e tocar no assunto é dolorido, porém, necessário em muitos casos. Comumente falamos sobre a vida e seus prazeres e, da mesma forma, precisamos de uma reeducação sobre como falar da morte de uma maneira saudável. Abordar assuntos como o luto, a morte ou a nossa própria finitude é uma maneira de tornar a realidade menos assustadora, afinal, não falar sobre não muda o fato de que vamos nos deparar com ela em algum momento de nossa vida.

Conversar ajuda a trabalhar sobre aquele sentimento e nos prepara para uma possível perda, além de auxiliar aqueles que estão enfrentando o processo de luto. “O acompanhamento psicológico pode ser importante em situações em que a pessoa que viveu o luto não consegue voltar a sua rotina ou não sente mais prazer nas atividades que antes eram importantes, por exemplo”, explica a psicóloga.

Psicóloga Milena Moreira nos explica como podemos ajudar alguém que está passando pelo luto:

A primeira sugestão é rever a forma como prestamos apoio a quem perdeu uma pessoa querida. É necessário eliminar frases como: “seja forte” e “você precisa seguir a sua vida”, pois, elas carregam um tom de exigência sobre como a outra pessoa deve agir e sentir, soando como uma ordem. Aceitar a morte de uma pessoa amada é um processo muito doloroso, portanto, a última coisa para se dizer a uma pessoa enlutada é que ela precisa ser forte. Falas como essas, além de não ajudar, muitas vezes acabam atrapalhando o processo.

Momentos difíceis como esse precisam de acolhimento e de pessoas próximas que se mostrem presentes. É importante entender que nem sempre o enlutado irá precisar de palavras ou abraços, mas, uma ótima forma de prestar apoio é se mostrar disponível.

Cada pessoa passa pelo luto de uma forma diferente, algumas preferem ficar sozinhas enquanto outras gostam de receber carinho e abraços, por exemplo.

O importante é respeitar o momento daquela pessoa, sem protagonizar o sofrimento alheio com frases como “já passei por isso” ou “comigo foi assim”. Esse comportamento de falar sobre a própria experiência de luto não atenua o sofrimento em questão, por isso é importante lembrar que palavras não são o mais importante.

Outro erro comum é tentar ser positivo demais frente a essas situações. Infelizmente, neste momento, as coisas boas não estão disponíveis para a pessoa em sofrimento, então, fica difícil enfrentar o luto de uma forma positiva. Ou seja, deve-se evitar dizer “vai passar”, pois a dor está sendo sentida no agora e é no presente que ela precisa ser vivida.

O luto em si não é algo ruim, o que é ruim é perder uma pessoa queria. O luto se trata de um processo pelo qual é preciso passar para elaborar a dor da perda, sendo um momento de reorganização da vida. Evitar passar por esse processo é como deixar uma ferida sem curar. Sendo assim, quando o luto é vivenciado, ao final ficam as lembranças em vez de um sofrimento permanente.

Homenagens:

Nessa matéria especial de dia das mães, cedemos um espaço dedicado a homenagens para aqueles que perderam seus entes queridos. Buscamos trazer isso de uma forma leve e reconfortante, primando o respeito.

Josete Souza da Silva para seu filho, Lucas Souza da Silva

Dia das mães, um dia tão especial para lembrar esse amor tão grande, acredito que todo dia é dia das mães. Dessa vez, eu vivo um dia diferente, um misto de emoções, pois sinto muito a falta do meu filho, Lucas. Ele foi um menino muito especial e com uma luz muito grande. Menino lindo, alto, forte, determinado, obediente e muito caseiro, apaixonado pela minha comida. Meus olhos não aguentam essas lembranças tão fortes… que saudade do meu querido, sei que ele está bem porque creio que teve um contato muito forte com Deus meses antes da sua partida, mas creio que a ressurreição se dará um dia e eu abraçarei ele novamente com a maior força que eu tiver. Deus é perfeito e nunca erra, ele não quis isso, mas permitiu, o porquê eu não sei, mas na sua infinita bondade me enviou um anjinho que está quase chegando. Não o conheço, mas já o amo. Não vai substituir o Lucas, mas ser mãe é um dom e quero fazer o meu melhor! Matheus está vindo e sei que o Lucas seria um grande companheiro para ele e, provavelmente, exemplo e inspiração. Que Deus abençoe todas as mães e conforte a todas que como eu passaram, ou melhor: convivem com essa dor. Não passa, a gente só se adapta para continuar!

Marlene Pietrala para sua mãe, Casemira Stempinhaki Pietrala

Maio, o mês das mães. Para mim, é um tempo de sufoco e angústia, para não dizer exatamente “tristeza”. 6 anos atrás, antecedendo o dia das mães, numa bela manhã de quinta-feira, eu já estava com o seu presentinho comprado, somente esperando o domingo chegar, mas a notícia da sua partida chegou. Foi o dia mais triste, um dia de muita dor e sofrimento. Até hoje, é uma data muito dolorida, pois não é igual aos outros anos. A falta que faz é muito grande… a sua comida, o seu aconchego nas datas comemorativas, as palavras de conselho. Mas posso dizer que aprendi muito no tempo em que vivi ao seu lado: a humildade, a sinceridade, a partilha, a honestidade e muito mais. Agora entendo que tudo faz parte desse ciclo da vida. Hoje, eu represento você, demonstrando tudo isso para os meus filhos e tenho certeza que lá do alto você continua me guiando e iluminando, sendo a intercessora nossa aqui da terra, pois mãe é única e insubstituível. Meu pedido é que valorizem suas mães a cada minuto. Não deixem para amanhã, pois pode não existir. Saudades, muitas saudades de um amor que se estende e nunca acaba.

Ana Sirlene Walter de Miranda para seu filho, Luís Guilherme Walter de Miranda

Domingo chorei muito por não ter você aqui, filho… para me abraçar, me beijar e dizer como você dizia: “mãe, te amo”. É muito triste saber que você tinha um filho que era o seu tudo, e ainda é. Sou muito grata de ser tua mãe. Quantas vezes chorei escondida, por não poder tirar as tuas dores e quantas vezes você dizia que estava bem para eu e seu pai irmos dormir, porque tínhamos que trabalhar no outro dia. Você dizia “mãe, está tudo bem, descansa. Você e o pai devem estar com sono” e você chorava sozinho, ligava para o Mauro e para a Elizete e ficavam até o amanhecer conversando. Dizia para eles que estava com dor, mas que não queria preocupar a gente.

Obrigada por ter deixado tantos amigos que não nos abandonaram, mesmo depois que você partiu. É o que nos ajuda a enfrentar essa dor da saudade. Temos muito orgulho de sermos seus pais. Fizemos de tudo, mas a única coisa que não pudemos foi tirar de ti essa doença. Lutamos e sofremos, mas o câncer venceu e nos separamos. Sofremos muito a sua ausência, todos os dias, você faz tanta falta… você era um menino de ouro, meu anjo, minha estrelinha no céu. Para sempre vamos te amar. Somos pais de um lindo anjo.

Paula Cordeiro Roxo Esteves para sua mãe, Maria Jovita Cordeiro Roxo

Mãezinha, querida… cada dia que se passa meu peito dói mais de saudades. Saudades de todos os momentos que vivemos. Eu tenho muito orgulho de tudo que você me ensinou, de tudo que você representou para seus netos. Apesar de toda luta que passou nessa vida, você nunca perdeu a doçura e a alegria de viver. Saiba que eu vou te amar até o meu último suspiro. Eu tenho certeza que você está repleta de luz, pois foi um anjo na terra. Você foi minha melhor amiga, minha confidente, meu chão e meu céu… acho que nem em 1000 anos vou ser a metade do que você foi, é e será para mim. Te amo eternamente, minha rainha!

Comentários

MATÉRIAS RELACIONADAS
Professora e historiadora são-mateuense lança livro relacionado à história do município com fotografias antigas de São Mateus do Sul
São-mateuense peregrina 420 km no “Caminho da Fé”
São-mateuense assume comando da Base Aérea de Natal – RN