Hoje, tomo a liberdade de emprestar o espaço desta Coluna para algo mais pessoal. Espero que entendam.

Se passaram 34 anos e 169 dias desde 01/04/1986, quando iniciei os meus trabalhos na maior empresa da América Latina. Também se passaram mais de 43 anos desde o início de meu primeiro trabalho com carteira assinada, aos 13 anos de idade, numa tipografia (muitos já nem sabem o que é uma) em Porto União, SC.

Receberei, pela segunda vez, o título de aposentado. Alguns me parabenizam pela conquista, outros me dizem que é fácil de se acostumar com uma vida sem compromissos profissionais. Mas não estou convicto de que aceitarei este título. Quem sabe um pouco mais tarde.

Eu, acredito que ainda possa contribuir mais com a sociedade. Pensar que acumulei uma série de conhecimentos ao longo da vida e agora possa deixá-los guardados em alguma gaveta do meu banco de memórias me incomoda.

Sentirei falta de influenciar decisões, ajudar pessoas a construir sonhos profissionais e empresariais. Fiz parte de uma organização que ao longo desses mais de 34 anos me deu muitas oportunidades para crescimento pessoal e profissional. Aprendi muito, nem todos tem essa chance. Trabalhei e competi com profissionais muito competentes e inteligentes. Isto me desafiou e acho que cresci. Sou grato a todos eles por isso.

Ninguém realiza sonhos sozinho e as equipes com as quais trabalhei me deram o suporte suficiente para as conquistas, para os resultados alcançados. Minha família foi muito importante também neste sentido. Alguns amigos, pessoas especiais me deram suporte nas horas difíceis.

Como escrevi nesta Coluna, em dezembro de 2018, a vida é feita de ciclos. Mais um se encerra e outro começa para mim. Vou abusar da boa vontade de vocês mais uma vez e repetir um trechinho do texto, que acredito válido para este momento:

“Quando jovem, eu não dava tanta importância para o tempo. Ele parecia infinito e, muito embora eu soubesse, como dizia minha mãe, que “ninguém fica para semente”, tudo parecia muito distante e pouco provável que ele se findasse no curto prazo.

Não tenho certeza de ter conseguido, mas tentei viver da melhor forma possível, fazer da melhor forma possível, pensando que se a vida terminasse, aqueles que de mim se lembrassem poderiam acreditar que tentei.

Hoje já posso dizer que eu sou um dos privilegiados por poder observar cada ciclo desses a um tempo bem razoável. Espero que ainda venham muitos mais, mas tento aproveitar um pouco mais o meu tempo. O corpo começa a dar sinais de que cansaço de que a energia se esgota. Assim, se não consigo a mesma intensidade da juventude, tento aplicar a maturidade em meus atos para quem sabe conseguir um pouco mais de qualidade nas ações.”

Guardarei boas lembranças. Espero que os que me sucedem tenham sucesso em seu trabalho, em suas carreiras. Que consigam fazer melhor! Se, de alguma forma, o que aprendi e dividi com eles os tenha ajudado, fico contente, pois de nada vale o conhecimento se não puder ser compartilhado.

Estamos às vésperas de mais um aniversário de nossa cidade. O calendário criado nos dá oportunidade para recomeçar, um novo ciclo a cada ano.

Acredito que eu possa contribuir ainda mais para o crescimento e melhoria da qualidade de vida da cidade que escolhi para morar. É minha segunda estada por aqui, são mais de 16 anos. Que eu possa fazer parte de mais alguns anos da história deste Município.

Que venham os novos desafios! O Administrador Adnelson Borges de Campos está disponível para ajudar-lhes na busca de soluções.

Muito obrigado aqueles que dividiram comigo a jornada até aqui! Contem sempre comigo!

Adnelson Borges de Campos

Adnelson Borges de Campos

Nascido em São Paulo (SP), são-mateuense de coração, casado com Denise, pai de Lucas, Vinícius e Helena. Administrador, especialista em gestão empresarial pela ESAG/UDESC e especialista em Gestão e Auditoria Ambiental pela FUNIBER. Trabalha na Petrobras desde 1986, onde exerceu, desde 1987, funções gerenciais em mais de nove áreas especializadas. Atualmente é gerente de manutenção da Unidade de Industrialização do Xisto em São Mateus do Sul (PR). Contista desde 2012, com diversos textos publicados em meio impresso e digital. Autor de Histórias que as estrelas contam – um pouco de astronomia para adolescentes. www.adnelsoncampos.com.br - adnelsoncampos@gmail.com.
Adnelson Borges de Campos

Últimos posts por Adnelson Borges de Campos (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Fugindo da mediocridade
Êxodo urbano
O que fazer nos dias ruins