Escrever sobre fotografias antigas também requer conhecer um pouco sobre os fotógrafos do passado. Quando iniciei essas pesquisas com imagens, senti um interesse maior pela pessoa atrás da câmera e por assuntos que dizem respeito ao modo de fazer fotografias em outras épocas. Esta fotografia pode ser considerada uma foto do cotidiano entre os anos de 1950 e 1960. Mas quem tirou a foto? Por que escolheu a ponte?

A ponte é uma obra do Estado e foi concluída em 1952, no governo de Moisés Lupion. Na época, esse empreendimento representava o desenvolvimento (principalmente econômico), para a região. Com o final das atividades da Lloyd Paranaense, empresa de navegação que atuou muitos anos em nosso município, surgiu uma demanda por mais estradas e consequentemente por mais estruturas como esta ponte. Para um observador que desconhece a história de São Mateus do Sul, apenas uma ponte, mas para os são-mateuenses que viveram aquela época, ela foi muito significativa e representou uma nova era. Para os meios de transportes, foi o fim da navegação a vapor no rio Iguaçu e o aumento do transporte rodoviário.

Os são-mateuenses contam muitas histórias e curiosidades sobre a construção da ponte. Entre elas, a dos burrinhos que de tanto puxar terra, voltavam sozinhos para outra recarga. Na data da inauguração, por exemplo, precisaram colocar pranchões de pinheiros compridos, para completar uma parte do aterro que faltava, pois sem essa solução não teria inauguração. Na data oficial também ouve benção religiosa e o sino da igreja tocou à meia noite. Essas são apenas algumas das histórias. (Farah, 2008, p.)

Sobre esta fotografia, ela é uma cópia medindo 23cm x 15cm, em preto e branco. O tema é a ponte sobre o rio Iguaçu (um grande acontecimento para a época com destaque para o tráfego de caminhões carregados. Não tem data nem autoria conhecidas. Notaram que só aparecem caminhões? Dois modelos da Chevrolet podem ser identificados e dois deles transportam madeiras. Coincidência ou não, carros de passeio não aparecem, eram mais raros também. Aparecem duas pessoas (não identificadas), próximas a grade de proteção da ponte observando o tráfego. Sobre os fotógrafos de antigamente, alguns, para diferenciar a foto interna da foto externa diziam assim: “vou fazer uma vista do rio” ou “hoje tirei uma vista dos vapores”, o que achei muito interessante. Outro fato curioso é que a rua de onde essa foto possivelmente foi tirada, chamava-se Bella Vista (atual Luciano Stencel). Ainda tenho muito que aprender sobre fotografias e fotógrafos de antigamente! (risos)

Ao lado da ponte no canto esquerdo inferior, descansa um dos vapores do rio Iguaçu, encerrando assim, um dos mais importantes ciclos da nossa história regional, o do transporte fluvial através da navegação a vapor.

Últimos posts por Hilda Jocele Digner (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Monge João Maria: a imagem “santa”
BARBAQUÁ: a safra de 1923
Fotografia da diretoria do Grêmio “Bouquet Selecto”