Indústria e Comércio

Usina do Xisto: A situação é grave? A solução é greve!

Thaís Siqueira/Gazeta Informativa

Thaís Siqueira/Gazeta Informativa

Está decidido! Se a Petrobras implantar a redução da jornada do turno, haverá greve na Usina do Xisto (SIX). Esse foi o resultado da assembleia que o Sindipetro PR e SC realizou na quinta-feira (25), em duas sessões, em São Mateus do Sul. Por quase unanimidade os trabalhadores resolveram resistir à imposição da nova tabela do turno ininterrupto de revezamento, que reduz a jornada de oito para seis horas.

De acordo com o comunicado enviado pela gestão da SIX à toda força de trabalho, o novo regime seria instituído a partir de 1º de setembro. A empresa justifica a medida através da decisão judicial que determina o cumprimento do interstício (intervalo) mínimo de 11 horas entre as jornadas. A ação coletiva do interstício foi movida pelo Sindicato no ano de 2006, em todas as unidades do Sistema Petrobras no Paraná e Santa Catarina. Os resultados de todas as reclamações judiciais foram favoráveis ao respeito ao intervalo e os descumprimentos comprovados geraram passivos trabalhistas.

Na grande maioria das unidades a determinação judicial foi acatada pela empresa, à exceção da SIX. O jurídico da Petrobras, ao invés de apresentar uma proposta na Justiça, optou por determinar a redução do turno de forma unilateral, sem antes negociar com o Sindicato ou a Justiça do Trabalho. Cabe lembrar que em nenhum momento a sentença discorre sobre redução de jornada.

Na última negociação entre o Sindicato e a Petrobras, ficou claro que a intenção dos representantes jurídicos da empresa é pressionar os trabalhadores para que abram mão do passivo trabalhista gerado pelo não-cumprimento do interstício ao longo dos anos. Isso foi colocado como condicionante para manter a tabela de turno de oito horas. “Nós ganhamos a ação e não vamos abrir mão do passivo. Temos segurança jurídica e também estamos convictos que podemos chegar a um acordo daqui para frente com respeito ao intervalo de 11 horas e tabela de turno de oito horas”, afirmou Mário Dal Zot, presidente do Sindipetro.

Prejuízos aos trabalhadores

Caso a jornada de 06 horas do turno seja implantada, os prejuízos imediatos aos trabalhadores seriam a redução do adicional de HRA (Horário de Repouso à Alimentação) e a diminuição de folgas, causando prejuízo ao convívio social e familiar dos trabalhadores. Os impactos financeiros podem chegar a 20% do total dos rendimentos dos petroleiros do regime de turno da SIX.

Negociação sórdida

Em novo comunicado à força de trabalho da SIX, a Petrobras tenta jogar os petroleiros contra o Sindicato ao afirmar que não é possível manter a tabela de turno de oito horas e ao mesmo tempo cumprir integralmente a decisão judicial. Os representantes jurídicos da empresa colocaram empecilhos em todas as alternativas de tabela apresentadas pelo Sindipetro, uma estratégia para pressionar pela desistência do passivo trabalhista.

A luta é a solução

Para o presidente do Sindicato, o momento é de resistência e luta. “Temos que nos manter mobilizados. É o momento da chantagem, da pressão de chefetes e pelegos. Vão tentar nos dividir, jogar uns contra os outros e também contra o Sindicato. Agora é a hora de demonstrarmos cada vez mais união e força. Não fraquejar neste momento de negociação é fundamental. O resultado da assembleia passa um recado forte à empresa. Se aplicar a redução da jornada do turno, vamos parar. Não aceitamos imposição unilateral, muito menos terrorismo. Estamos preparados para a greve, inclusive com as salvaguardas jurídicas”, disse Dal Zot.

Com informações do Sindicato dos Petroleiros do Párana e Santa Catarina

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Governador entrega licença ambiental prévia para ampliação das atividades da SIX
Parada da SIX abre cadastro para profissionais de São Mateus do Sul
SIX não corre risco de ser desativada, garante assessoria de imprensa