Geral

Vacas leiteiras são mortas no interior de Antonio Olinto

Pocote com restos de uréia é encontrado jogado na propriedade de Hilda, onde duas vacas leiteiras foram mortas, provavelmente por excesso de ingestão de uréia. A intoxicação causada pelo consumo de uréia em animais não adaptados ou em grandes quantidades (para os animais já adaptados) leva a um quadro agudo e muitas vezes ocasiona a perda do animal.

Pocote com restos de uréia é encontrado jogado na propriedade de Hilda, onde duas vacas leiteiras foram mortas, provavelmente por excesso de ingestão de uréia. A intoxicação causada pelo consumo de uréia em animais não adaptados ou em grandes quantidades (para os animais já adaptados) leva a um quadro agudo e muitas vezes ocasiona a perda do animal.

Na quarta-feira (09), por volta das 08 horas da manhã, na comunidade do Imbuial, interior de Antonio Olinto, Hilda Rosa Alves relata que como todas as manhas, foi ordenhar suas vacas, ou seja, fazer a extração do leite. Segundo ela, Joelso Stavny, seu genro, é quem a ajuda com as criações. “Ele foi até o terreno que fica em frente à casa, e soltou as vacas para até a hora de ordenhar. Enquanto eu arrumava as vasilhas para tirar o leite. Nesse meio tempo enquanto Joelso não estava por perto, ‘alguém’ colocou em uma sacola plástica uma porção de ureia, e deu para as vacas comerem. Alguns minutos depois, quando Joelso voltou, as vacas já estavam com uma aparência estranha, mas ele não se deu conta, e recolheu uma das vacas na cocheira. Eu coloquei o bezerro para mamar, mas a vaca estava tipo se torcendo, creio que de dor. Saí imediatamente e chamei Joelso, para ele ver o que estava acontecendo. Mas quando ele entrou na cocheira a vaca já estava caída terminando de morrer. No mesmo momento outra vaca estava se debatendo no portão, não deu tempo do veterinário chegar, e outra vaca morreu. Foram duas vacas mortas. Mas agora nenhuma das outras que restaram tive coragem de ordenhar, por medo que estejam com algum vestígio de veneno”, conta Hilda.

Joelso relata que tudo aconteceu rapidamente. “A pessoa que fez isso agiu muito rápido. Mas, felizmente, deixou provas no local, como o pacote com restos de ureia jogado no chão”, diz. As providências já estão sendo tomadas. “Porque se deixar passar em branco, amanhã o atentado pode ser em uma pessoa da família. A família tem suspeitos, mas no momento não há provas e nomes não podem ser citados”, comenta Joelso.

Segundo Hilda, muitas pessoas da comunidade se beneficiavam com o leite das suas vacas. “Agora muitos estão revoltados, porque ninguém acreditava que nessa comunidade existisse gente dessa índole. Somos pessoas religiosas e cremos que Deus tem um propósito para tudo. E ele foi tão generoso que fez com que não desse tempo de ninguém beber desse leite. Porque se não a tragédia poderia ser muito maior. É isso que deixa a gente mais revoltado, porque o prejuízo material não é nada, tendo em vista que vidas poderiam ter sido tiradas”, finaliza.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Confira a alteração no expediente de estabelecimentos são-mateuenses por conta da Copa do Mundo
Entenda porque o Paraná está livre da Lei Seca nas Eleições 2018
Paróquia Nossa Senhora do Rosário, de Rio Claro do Sul, comemora 120 anos

Os comentários estão fechados