Rosana Ehlke Vistuba na viagem realizada em novembro de 2019. (Fotos: Acervo Pessoal)

A psicóloga Rosana Ehlke Vistuba, mediadora do livro “Mulheres que Correm com os Lobos”, e fundadora do Canal ComVida no YouTube – que tem como missão auxiliar mulheres na “aventura da leitura para dentro da alma feminina” – passou por vários estados americanos, em uma jornada entre desertos e nevascas, para conhecer a atmosfera onde o livro foi escrito, pelas mãos de Clarissa Pinkola Estés, (PhD). Rosana é responsável pelo projeto Conviver, que trabalha com agressores e vítimas de violência doméstica em São Mateus do Sul.

“Busquei realizar uma jornada espiritual, na companhia de Leandro e Nilceia, um casal de amigos que mora nos Estados Unidos há 3 anos”, conta Rosana. A profissional procurou praticar o aprendizado contido no livro “A Mulher Selvagem e a Alma Feminina”, que inspira as pessoas a continuarem a ser multilíngues: fluentes no linguajar dos sonhos, da paixão, da poesia.

Rosana nos conta que também teve de superar barreiras, como aprender uma nova língua, enfrentar aeroportos e superar uma nevasca. Mas para ela, a recompensa valeu a pena. “Visitamos a cidade de Loveland, tivemos a honra de conhecer o local onda a Dra. Estés realiza cursos durante o ano. Também visitamos um Santuário de Lobos, na cidade de Divide, estado do Colorado, que se dedica a educar as pessoas para a preservação destes animais. Conhecemos as histórias de cada um dos lobos e suas características.”

A equipe do santuário ensina os visitantes sobre a compreensão e respeito pelo instinto de liderança dos lobos, garantindo assim um encontro sagrado e divertido. O livro da Dra. Estés tem uma profunda relação com estes animais. “Ela nos ensina a termos mais intimidade com a nossa intuição. Foi através da intuição que conhecemos lugares e pessoas encantadoras, que durante nossa jornada, foram nossos mestres.”

Em um dos trechos do livro, Estés conta que quando um lobo uiva, na verdade ele está fazendo a pergunta mais importante de todas: não onde está a próxima comida, a próxima briga ou a próxima dança. A pergunta mais importante é “aonde está a alma?” – do inglês, where is the Sooouuuulll?. “Posso dizer que minha alma se expandiu muito, entre brincadeiras na neve, caminhadas pelo deserto e uivos de lobos!”, encerra Rosana.

Cláudia Burdzinski

Cláudia Burdzinski

Estudante de Jornalismo que adora escrever e conhecer um pouco sobre a vida e a história de cada pessoa envolvida. Preza pela essência que é repassada na produção de cada matéria, valoriza os pequenos gestos e apoia o ativismo ambiental. E-mail para contato: claudia@gazetainformativa.com.br
Cláudia Burdzinski

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Antonio Olinto recebe 2ª edição do projeto “Slava Ukraini”
Grupo folclórico de São Mateus do Sul embarca para turnê na Polônia pela primeira vez na história
Colégio Professor Paulo Stencel promoveu 1º Encontro Inter-Étnico

Deixe seu comentário

*