Artigo de Opinião

“Vira lata vira amor!”

(Foto: Cláudia Burdzinski/Gazeta Informativa)

Minha mãe estava assistindo Globo Repórter toda animada há algumas semana atrás. Cheguei da faculdade perto da meia noite e ela estava ansiosa me esperando na sala para contar um pouquinho sobre o programa. O tema era a importância dos animais de estimação na vida do ser humano, e isso é encantador! Percebo que hoje em dia é difícil ligar a televisão e encontrar notícias positivas – minha avó até brinca que as vezes você liga a tv e pode começar a escorrer sangue -, e essa interação com o entretenimento e temas leves me fazem admirar esse tipo de programa.

Um ponto que chamou muito a atenção é a gratidão do cachorrinho vira-lata ao ser resgatado da rua. Ele se sente na obrigação de agradecer o dono por ter lhe dado um lar e um pouquinho de atenção. De acordo com o site MAPAA, a sensação é a de que o cachorro sabe que foi você que o tirou das ruas. Direta ou indiretamente, eles sabem que sua vida agora é repleta de amor e carinho, e que antes de você a vida não era assim: era difícil, ele passava frio e fome nas ruas, e muito provavelmente maus-tratos. O cachorrinho sentirá uma gratidão eterna por você ter salvado ele de tudo isso. Se você tem um vira-lata, olhe pra ele a qualquer hora que você vai perceber. Eles nunca se esquecem!

Há um ano e meio adotei a Rabisca (cadelinha que ilustra o artigo dessa semana) das ruas, e hoje percebo o quão feliz fico em ver ela tão saudável. Em São Mateus do Sul existe a Organização Não Governamental (ONG) Quatro Patas, que ajuda os cachorrinhos de rua a encontrar um lar. Além de colaborar com a vida e bem-estar do animalzinho, a adoção diminui o número dos animais de rua, tão ameaçados por envenenamentos e maus-tratos. Que tal conhecer melhor o trabalho da ONG? É só entrar em contato através do Facebook e colaborar com a equipe. Quem sabe assim, você faz mais um cachorrinho ser grato pelo acolhimento.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Palavras, retórica e domínio de ideias
Cresci e mudei. E agora?
A valia da parceria entre os meios de comunicação