Ele não é do Rio de Janeiro mas grande parte de seus amigos são-mateuenses o conhecem como “Zé Carioca”. Feira Livre do Produtor, cultura agrícola e a arquearia fazem parte de sua trajetória com o município… Hoje conheceremos a história de Demerval Pessin ou Zé Carioca, um dos principais colaboradores para o incentivo agrícola do município.

Nascido na cidade de Itaguajé – no noroeste do Paraná –, após a formação profissional em agropecuária, o profissional prestou concurso e passa a trabalhar na Carpa (atual Emater). “Eu precisava escolher um município no Sul do Estado e escolhi São Mateus”, conta. Após trabalhar por 10 anos na Carpa, Demerval começou a atuar na Secretaria Municipal de Agricultura, no qual já está prestes à se aposentar.

30 dúzias de ovos

Demerval Pessin (Zé Carioca) foi o criador da Feira Livre do Produtor que hoje é sucesso em São Mateus do Sul.

Costumeiramente os moradores de São Mateus do Sul e região frequentam a Feira Livre do Produtor, que acontece todo sábado e reúne produtores de diversas comunidades do município. Mas quem começou toda essa tradição? Zé Carioca conta que em outubro de 1986 ele já atuava na assistência técnica com alguns pequenos agricultores são-mateuenses. “Em um sábado – por coincidência – peguei 30 dúzias de ovos e fiquei na esquina próximo à Igreja Matriz para vendê-los”, diz. O local é onde hoje encontra-se o parquinho da Igreja.

Feito a experiência inicial, durante toda a semana Zé recorreu aos produtores que ele orientava para incentivar a atividade. “Eu chegava, falava para eles juntarem os produtos para começarmos a Feira em São Mateus”. Mais tarde o grupo começou a realizar as Feiras próximo ao antigo Colégio das Irmãs – atual Secretaria de Educação, Cultura e Turismo. A Feira já rodou também em frente à Prefeitura Municipal e hoje encontra-se todo sábado na Rua Dom Pedro II. “É preciso que as pessoas vejam a Feira como algo cultural e não comercial. A Feira é um lugar para todos!”

Bambus e arquearia

A comunidade de Anta Ruiva, interior do município de São Mateus do Sul, esconde uma das maiores riquezas do país na questão de biodiversidade: a propriedade de Zé Carioca é a que possui a maior variedade de bambu do Paraná – e é a terceira maior do Brasil. Com sua paixão pela espécie, Zé acabou conhecendo e sendo um dos fundadores do grupo “Os Bambuzeiros do Paraná”, que estudam a espécie.

Em uma dessas andanças de trabalho, Demerval se depara com um bambu diferente dos que ele já tinha visto. “Eu senti que o Yumi estava lá”. Yumi é o nome dado aos diferentes tipos de arcos japoneses, em que os mais tradicionais são fabricados com bambu, madeira e couro. Conversando com o proprietário do terreno, ele recebeu a confirmação de que sim, o bambu era uma espécie trazida do Japão e utilizada para a fabricação do instrumento das artes marciais.

Após adquirir uma muda do bambu, Demerval passou a pesquisar sobre a fabricação dos arcos, focando no Kyudo, uma das práticas mais conhecidas na arquearia japonesa. “É engraçado pensar dessa forma pois não sei se eu estava escolhendo o arco ou ele estava me escolhendo.”

A forma peculiar de produção dos arcos japoneses instigou Demerval, que encontrou pela internet um exemplar do arco entregue ao morador de Ponta Grossa, vindo diretamente do Japão. “Fazer um arco é algo muito complexo e me desafiou em muitos sentidos”. Ele é um dos únicos artesãos das Américas a produzir o arco japonês.

Hoje o artesão além de produzir os arcos e também as flechas, dedica o seu tempo para ensinar a técnica para àqueles que admiram e se interessam pela arquearia. No futuro, ele pretende criar uma escola da modalidade em São Mateus do Sul.

E quanto ao apelido Zé Carioca, bem… “É mais simples chamar de Zé do que de Demerval”, brinca.

Cláudia Burdzinski

Cláudia Burdzinski

Estudante de Jornalismo que adora escrever e conhecer um pouco sobre a vida e a história de cada pessoa envolvida. Preza pela essência que é repassada na produção de cada matéria, valoriza os pequenos gestos e apoia o ativismo ambiental. E-mail para contato: claudia@gazetainformativa.com.br
Cláudia Burdzinski

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
O juiz de paz que já fez de tudo um pouco
A disposição e a vitalidade da cozinheira são-mateuense
O espelho do amor próprio e da aceitação

Deixe seu comentário

*